Conciliar tudo? Só com a ajuda da escolinha

Fernanda Curi nunca quis largar o trabalho e teve que contar com a escolinha para continuar sua carreira e também cuidar do seu pequeno

-Publicidade-

Fernanda Curi mãe de João Victor  participa da campanha Culpa,Não! O tema do mês de Maio é  “Culpa por deixar a criança na creche”  se você também quiser participar siga a nossa página no Facebook e mande um depoimento sobre o tema do mês para giovanna@revistapaisefilhos.uol.com.br .  

Nunca imaginei parar de trabalhar depois de ter filhos, e já falava sobre isso com o meu marido antes mesmo de casar. Nunca me imaginei como uma mulher que fica em casa, cuidando dos filhos, pois com certeza eu não estaria completa, e o melhor de tudo é que meu marido sempre apoiou demais essa decisão. Claro que eu amo ficar com meu filho, e hoje o maior prazer da minha vida são os momentos que estou com ele, mas a minha carreira é muito importante pra mim, e sempre fará parte da minha vida, com certeza.

-Publicidade-

Um pouco antes do João Victor nascer me bateu um certo receio, uma dúvida profunda se conseguiria dar conta de tudo, mas aí ele nasceu e eu percebi que tudo se encaixou naturalmente e que eu sempre fui muito mais capaz do que conseguia imaginar.

Quando terminou a minha Licença Maternidade, voltei ao trabalho e o João Victor ficava na casa dos meus pais, porém a babá dele, que já trabalhava antes na casa deles e que agora teria a função de cuidar do meu filho, sempre trabalhou somente a partir do meio dia. Na parte da manhã ele ficava com a outra empregada da casa, mas isso não funcionou muito bem.

Não que ela não cuidasse bem dele, ao contrário, mas a casa estava de pernas pro ar por que não dava tempo de fazer as duas coisas, então nesse momento eu percebi que tinha 2 opções : ou contratava outra babá, que pudesse cumprir a jornada inteira, ou colocava ele meio período na escolinha e meio período ele continuaria com essa babá, super de confiança e conhecida há muitos anos pela minha família.

Escolhi a 2ª opção e não me arrependo nem por um segundo. Claro que pesquisei muito sobre as escolinhas na minha cidade, e optei por uma que me foi indicada por várias amigas e conhecidas. Todas só falavam maravilhas da escola e realmente eu comprovei que tudo aquilo era verdade.

A adaptação do João Victor, que começou na escolinha com 5 meses, foi super tranqüila, e em nenhum momento me senti culpada pela minha escolha. Meu filho é uma criança feliz, tranqüila e segura. É visível que ele adora todas as “tias” do berçário e isso é sinal, para mim, de que tudo corre muito bem. As pessoas chegam a estranhar o fato de eu deixar ele na escola sem sofrer, como se fosse uma “obrigação” da mãe chorar, se descabelar e ficar imensamente culpada por sair pra trabalhar e deixar o filho aos cuidados de alguém. Acho isso uma cultura desnecessária e que sobrecarrega a esmagadora maioria de mães que hoje, optam por continuar com a carreira. Comigo não funciona assim!!!!

Nunca deixei transparecer a ele que eu tinha insegurança, medo ou qualquer coisa do tipo em deixá-lo na escola, pois eu acredito que a criança sente isso dos pais e recua, o que torna a adaptação muito mais difícil. Sempre tive muita certeza de que a escolinha é ótima para o desenvolvimento do João Victor e não sinto culpa nenhuma por isso.

Somos felizes dessa forma, e é isso o que mais importa!!!! 

    -Publicidade-