Mais

Tudo sobre o sono do seu bebê

Ele não dorme a noite inteira? Normal, aprenda a criar uma rotina do sono

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Com certeza você já ouviu falar de bebês que dormem a noite inteira. E morreu de inveja dessas mães sortudas. Mas será que é só uma questão de sorte? Não. Para chegar lá, é preciso estabelecer uma rotina e esperar pela adaptação. Mas calma lá: “a noite inteira” para os bebês significa, no máximo, seis horas de sono, e isso vai acontecer quando eles já tiverem alguns meses de vida.

Recém-nascidos não têm um sono contínuo porque eles precisam se alimentar a cada três horas, mais ou menos.

A impressão é que são madrugadas e madrugadas em claro, e aí, depois que amanhece, o bebê dorme tão bem e tranquilo que parece até pegadinha. A boa notícia é que essa fase passa, e rápido. Com três meses, é perfeitamente possível que o seu bebê esteja dormindo como um anjinho e você poderá dar adeus às olheiras.
O importante é começar a preparar seu filho desde os primeiros dias para ter uma rotina de sono, adaptando-o aos pouquinhos ao mundo que ele acaba de conhecer a aos horários da família. Consultamos alguns especialistas para ajudar você e ao seu bebê a ter uma ótima noite de sono.

Colo, não!

Nas primeiras semanas, o bebê costuma dormir logo depois de arrotar, o que implica em quase sempre adormecer no colo. Mas é preciso ir aos poucos mudando essa prática. “O bebê que adormece no colo espera acordar no colo”, aponta a psicóloga consultora da Pampers no Brasil e autora de O sono do meu bebê, Renata Soifer Kraiser, mãe de Nicole e Laura.

O nosso sono é formado por ciclos, que podem durar em média 60 minutos. Quando passamos de um ciclo para o outro, é normal que a gente acorde por um momento. Se o bebê adormecer no colo, quando ele estiver passando de um ciclo para o outro, pode se assustar ao reparar que não está no mesmo lugar onde adormeceu. Esse é um dos motivos dos bebês acordarem tanto à noite.

Então, nada de ficar com a criança no colo até que ela caia no sono. É muito importante que você coloque-a para dormir no berço ainda acordada. A gente sabe que não é fácil, mas isso também evita que ela se acostume a dormir apenas com a mãe ou o pai ao lado.

Estilos de soneca

Cada criança tem um jeito de tirar as sonecas, e isso pode mudar ao longo do tempo. Se antes o bebê tirava só dois cochilos curtos e agora dorme três ou quatro vezes por 45 minutos, não se preocupe e siga o estilo dele.

No geral, as sonecas ocorrem em quatro momentos (uma ao acordar, outra antes do almoço, a seguinte depois do almoço e a última no final da tarde) e vão diminuindo até que reste apenas a de depois do almoço que dura em média 60 minutos. “O cochilo após o almoço se mantém por mais tempo e muitos especialistas a recomendam por toda a vida, pois em um adulto esse hábito diminui em até 15% o risco de ataques cardíacos”, diz a psicóloga Renata.

Mas isso é muito relativo. A quantidade de horas de sono varia de organismo para organismo. “Os bebês que dormem pouco vão dormir pouco a vida toda, isso é de cada um”, completa o pediatra e pesquisador  do Instituto do Sono.  Gustavo Moreira, filho de Marília e Cláudio. E claro, as sonecas vão depender também de como foi o dia, agitado ou mais tranquilo. Por isso, se a filha da sua amiga dormia muito mais que a sua, ou se a sua mãe conta que você dormia a noite toda, ao contrário do seu bebê, não entre em pânico. Cada um tem o seu estilo de soneca que atende às suas necessidades.

Cólica, a inimiga do sono

Nos três primeiros meses, muitos bebês têm cólicas, acompanhadas de uma crise de choro que parece não ter fim.

O choro costuma ser mais alto e estridente do que o normal. Ele ainda pode seguir a Regra dos Três: dura três horas por dia, três dias por semana, por três semanas.

Perceba os sinais de dores físicas, como a flexão das pernas e a contração do abdômen – eles ajudam a identificar se é ou não é cólica.

Ӄ muito importa