;
Família

Futebol feminino: jogadora da Seleção Brasileira tem 22 irmãos e história de superação

Daiane Medeiros passou por dificuldades na infância até chegar à posição de zagueira do time do Brasil

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

A jovem de 21 anos é zagueira estreante da Seleção Brasileira de Futebol Feminino (Foto: Reprodução/Instagram)

Quem precisa de torcida em jogo quando se tem 22 irmãos na própria casa? Esse é o caso da jogadora Daiane Medeiros, filha de Edleuza e José Carlos. A jovem de 21 anos é zagueira estreante da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, na Copa do Mundo 2019.

Em meio à bagunça da casa com apenas três quartos e muitos colchonetes, ela é a filha número 12 da família — mas é claro que os pais tinham privacidade com o próprio espaço, afinal mãe e pai também são gente! Os filhos se amontoavam em colchonetes nos outros dois cômodos.

Um dos casos engraçados dentro da família que vale a pena ser contado é que duas irmãs têm o mesmo nome. A mãe de Daiane, Edleuza, chegou a esquecer que já tinha uma filha chamada Luana e batizou a mais nova da mesma forma. A gente sabe que fica difícil lembrar os nomes dos 23 filhos, então, sem culpa!


Primeiros chutes

Mesmo com as dificuldades que enfrentou ao longo da vida, a jogadora teve o apoio dos pais e irmãos reforçado pelo vínculo familiar durante toda a carreira. Daiane começou a jogar bola com os irmãos nas ruas de Uberlândia.

Como a gente fala que ninguém cria filho sozinho, em uma dessas ‘peladas’, um vizinho percebeu o talento da menina ainda criança e a levou para a Escolinha de Futebol do Flamengo, em Uberlândia, Minas Gerais.

Ao chegar lá, Daiane se deparou com um time completamente formado por meninos. Mas para a nossa sorte, Leonardo Gonçalves, seu primeiro técnico, cedeu espaço para a entrada da primeira garota no time (girl power!).

Daiane jogou a Copa América e ajudou o time brasileiro a conquistar o sétimo título do campeonato (Foto: Divulgação/CBF)

Com o passar do tempo, os desafios na carreira da jogadora só aumentaram, assim como o apoio da família. Daiane teve passagens pelos times Kindermann (SC), XV de Piracicaba (SP), Tiradentes (PI) e Rio Preto (SP) até chegar ao Paris Saint-Germain, na França.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Antes de integrar o time oficial da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, a zagueira participou das categorias de base no Mundial Sub-20 de 2016, no qual foi eleita e melhor jogadora da partida contra a Suécia.

Já na seleção principal, Daiane jogou a Copa América e ajudou o time a conquistar o sétimo título do campeonato. Convocada no começo de 2019 pelo técnico Vadão, a jogadora ainda não teve a chance de participar das partidas e faz parte do time reserva da Seleção Brasileira — mas se a vida real de Daiane refletir em sua trajetória como jogadora, você pode ter certeza que ela vai dar show nos campos.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Mesmo sem poder ver Daiane de perto, os pais e 22 irmãos formaram uma torcida forte para o Brasil. Na última partida da seleção, o Brasil enfrentou a Austrália e teve uma derrota de 3 a 2. Mas se depender da família da zagueira, eles vão provar que juntos é possível trazer a taça para o Brasil. 

Leia também:

Seleção Brasileira de Futsal Down conquista primeiro mundial e dá show de representatividade

Você sabia que 8 jogadores da seleção cresceram sem a presença do pai?

Quanta emoção! Menino sueco chora ao ver o pai jogar na seleção pela primeira vez