Amamentação: é possível conseguir amamentar um bebê gerado por barriga de aluguel?

Só porque você não carregou ou deu à luz seu filho não significa que você não possa produzir leite materno

Kim e Kanye West e filhos (Foto: Reprodução Instagram / @kimkardashian)

Kim Kardashian certamente não é a primeira celebridade a contratar uma barriga de aluguel para carregar seu bebê – Sarah Jessica Parker, Tyra Banks, Elizabeth Banks e muitas outras fizeram isso antes dela – mas ela é a primeira a sugerir publicamente (via Instagram) suas intenções de amamentar seu filho recém-nascido. Isso deixou muitas pessoas perplexas. Se Kim não deu à luz ao seu bebê, como ela está planejando amamentar?

-Publicidade-

Isso tudo provocou um debate na internet e muitas dúvidas sobre se isso é ou não possível. A resposta curta é sim – com paciência e expectativas razoáveis, é totalmente possível amamentar seu bebê nascido de barriga de aluguel e os benefícios são gratificantes, principalmente através do contato pele a pele. Mas isso não quer dizer que seja fácil. “A amamentação, mesmo para uma mãe cujo corpo já está preparado para isso, é muito desafiadora e requer muito trabalho”, diz Anate Brauer, médica assistente do Greenwich Hospital e da NYU Medical Center.

O processo de amamentação para uma mãe que não pariu é complicado

Mães que não tiveram filhos tiveram que passar por um processo de lactação induzida ou produção de leite materno que é desencadeada por uma interação complexa de vários hormônios – estrogênio, progesterona, lactogênio placentário humano, prolactina e ocitocina. Esses hormônios são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento do tecido mamário durante a gravidez. “No parto, os níveis de estrogênio, progesterona e HPL caem drasticamente, o que, na presença de altos níveis de prolactina, estimula a produção de leite”, explica Anate. “A estimulação do mamilo promove a liberação de ocitocina, que estimula a contração do músculo liso dos dutos adjacentes no seio, que liberam o leite”.

-Publicidade-

Desde que esse processo seja replicado com sucesso, a indução da lactação em uma mulher não grávida pode ser alcançada, embora a Dra. Brauer explique que isso normalmente requer vários meses de terapia hormonal com uma combinação de estrogênio e progesterona disponível na forma de um medicamento combinado. “Cerca de 8 semanas antes do parto, alguém para os suplementos e começa a bombear com uma bomba de leite para uso hospitalar”, diz ela. “Esses dispositivos imitam a amamentação de um bebê e estimulam a produção de prolactina”. Em outras palavras, quanto mais uma mãe pretende bombear, mais prolactina é estimulada e liberada.

“A maioria dos consultores em lactação recomendaria que uma mãe planejada começasse a bombear 5 a 10 minutos cerca de 3-4 vezes por dia, com o objetivo de aumentar para 15 a 20 minutos a cada 2-3 horas”, diz a médica. “Depois que o bebê nasce, mesmo se as mamadas forem bem-sucedidas, o bombeamento após as mamadas ainda é incentivado”. Ainda assim, é importante observar que mesmo as mulheres que seguiram todas as etapas necessárias para garantir a produção de leite provavelmente precisarão complementar seu suprimento com leite bombeado ou fórmula.

Independentemente de você optar por alimentar seu bebê de barriga de aluguel, os especialistas concordam que o segredo é fazer isso de maneira adequada e segura. Embora vários medicamentos para a motilidade pró-IG, como Domperidona e Reglan, sejam usados ​​em segredo para induzir a lactação, Anate diz que isso geralmente não é recomendado, devido à grande quantidade de efeitos colaterais que podem acompanhá-los. De fato, Domperidona não está mais disponível para uso nos Estados Unidos devido a possíveis complicações cardíacas e até morte súbita. Além disso, ela observa que a segurança desses medicamentos não foi extensivamente estudada em bebês.

A amamentação é uma decisão muito pessoal e individual e você nunca deve se sentir culpado, envergonhado ou julgado por sua decisão (Foto: Getty Images)

Antes de considerar a lactação induzida, faça sua lição de casa

Além de aprender tudo o que puder sobre o processo, algumas boas investigações também podem ajudar as futuras mamães na decisão de induzir a lactação. “A amamentação é uma decisão muito pessoal e individual e você nunca deve se sentir culpado, envergonhado ou julgado por sua decisão”, explica Patricia A. Evans, enfermeira e parteira certificada no Memorial Care Medical Group em Fountain Valley, Califórnia. “Perguntar-se por que você quer considerar a lactação induzida em primeiro lugar, considerando realisticamente o tempo, esforço e dificuldades envolvidos, assim como seus compromissos pessoais, familiares e profissionais, e o apoio da família o ajudarão a ajustar suas expectativas”. Também é aconselhável consultar seu pediatra, especialistas em lactação, bancos de doadores e sites de amamentação antes de iniciar o processo de lactação induzida.

Se o vínculo com o bebê é seu principal objetivo para a amamentação induzida, saiba que isso pode ser alcançado de muitas outras maneiras além da amamentação sozinha. “Existem várias maneiras pelas quais a conexão entre a mãe e o bebê pode ser fortalecida, como ouvir o batimento cardíaco do bebê nas consultas médicas, participar de visitas de ultrassom para captar o rosto ou pé, gravar sua voz lendo um livro ou cantando uma música para a barriga de aluguel ouvir regularmente, tempo após o parto e até amamentação”, diz Daniel Kaser, FACOG da Reproductive Medicine Associates de Nova Jersey. Por fim, ele explica que a decisão de como se relacionar com o bebê nascido de barriga de aluguel, seja através da lactação induzida ou de algum outro método, é uma escolha pessoal.

Qualquer que seja sua decisão, lembre-se de que todos têm uma jornada diferente para a maternidade e é importante fazer o que melhor lhe convém como mãe. “Novas mães ou pais de bebês resultantes de barriga de aluguel têm potencial para sentir uma culpa adicional, pois não tiveram a oportunidade de carregar seus bebês, por isso pressionam a si mesmos para se vincularem de outras maneiras”, acrescenta Brauer. “Devemos incentivar esses novos pais a abandonar a culpa e entender que, enquanto seus bebês forem alimentados e seguros, eles os amarão incondicionalmente”.

Leia também:

Amamentação: respondemos as 17 maiores dúvidas das mães

Amamentação sem segredo: confira perguntas respondidas por uma especialista

Dor na amamentação: 4 dicas para evitar o desconforto