Caso Miguel: advogados de defesa de Sari querem culpar a criança pela própria morte

Miguel Otávio caiu do 9º andar enquanto procurava pela mãe Mirtes Renata, que passeava com os cachorros da patroa

Resumo da Notícia

  • Defesa de Sari afirmou que Miguel é culpado pela própria morte
  • A ex-patroa de Mirtes, alegou que a criança tinha "transtornos mentais"
  • A mãe desabafou sobre o assunto

A defesa de Sari Corte Real afirmou que Miguel Otávio, de 5 anos, que morreu enquanto a mãe Mirtes Renata, passeava com os cachorros da patroa, é o culpado pela própria morte. O menino entrou sozinho em um elevador para procurar pela mãe e caiu do nono andar de um prédio de luxo em Recife, em junho do ano passado. A informação foi dada pelos advogados da mãe.

-Publicidade-

Durante uma entrevista à editora-chefe do site Mundo Negro, Mirtes afirmou que a defesa da ex-patroa, acusada por abandono de incapaz, está acusando a criança pelo acidente, afirmando que ela possuía “transtornos mentais”, e por esse motivo, Sari não conseguiu impedir o garoto de entrar no elevador.

Um ano depois da morte de Miguel, o caso segue sem solução
Mãe de Miguel fica inconformada com as alegações da defesa de Sari (Foto: Reprodução / Facebook Mirtes Renata)

“É uma estratégia de defesa muito baixa que eles estão usando. Estão buscando argumentos para culpar meu filho e querendo transformar o Miguel em uma criança que teria problemas mentais a ponto de chamarem o psicólogo dele para depor contra Miguel”, afirmou. Ela ressaltou que a criança precisou fazer terapia, mas devido à separação dela com o pai dele, envolvendo apenas questões emocionais.

Miguel
Miguel faleceu ao cair do 9º andar do edifício Pier Maurício de Nassau, bairro de Santo Antônio (Foto: Reprodução / Facebook Mirtes Renata)

“No depoimento ela culpa até a filha dela, porque ela disse deixou Miguel entrar dentro do elevador porque a filha tirou a atenção dela. Ela não assume o crime, ela coloca a responsabilidade no meu filho e na filha dela”, acrescentou.

“Isso me machuca porque eles ficam falando mal do meu filho e isso é muito doloroso para mim. Eu não admito que ninguém fale mal do meu filho. Ele tinha comportamento normal para idade dele, graças a Deus saudável e agora ela [Sari] quer bancar de vítima de uma criança. Uma mulher de 30 e poucos anos! Isso não cola”, disse, inconformada com as informações que recebeu.

Relembre o caso

Miguel caiu do 9º andar do edifício Píer Maurício de Nassau, no bairro de Santo Antônio, no Centro do Recife, no dia 2 de junho. A queda aconteceu após a mãe dele deixá-lo com Sarí Corte Real para passear com a cadela da ex-patroa.

O menino quis acompanhar a mãe, então, pouco depois da tragédia, imagens do elevador do prédio mostraram Sarí Real junto de Miguel no elevador do prédio.  Depois de convencer Miguel a sair do elevador quatro vezes, a primeira-dama desiste de acompanhar o garoto.

Sarí Corte Real é acusada pela morte do menino
Sarí Corte Real é acusada pela morte do menino (Foto: Reprodução / Vídeo G1)

Ela então parece apertar o botão do elevador, deixando que a porta se fechasse com o garoto, sozinho, dentro. De acordo com as investigações da Polícia Civil de Pernambuco, Sarí então voltou ao apartamento, para continuar seu tratamento com uma manicure.

Ao chegar ao nono andar, Miguel abriu a porta corta-fogo do andar e seguiu pelo corredor. Ele pulou o peitoril da janela, colocou os dois pés na caixa de compressores e, já na área técnica, subiu na grade, momento em que uma peça se soltou e o menino caiu.

Na época, Sarí chegou a ser presa preventivamente um dia depois da morte, mas pagou fiança de R$20 mil, para responder ao processo em liberdade.