Mãe é presa por deixar filha de 11 ser estuprada para não pagar aluguel

O estuprador era dono da kitnet que a mãe e a filha moravam. Ele aceitava ter relações sexuais com as duas em forma de pagamento, já que a mulher não tinha dinheiro para o aluguel

Resumo da Notícia

  • Uma mãe foi presa por deixar a filha de 11 anos ser estuprada para não pagar aluguel
  • O estuprador era dono da kitnet que a mãe e a filha moravam
  • O caso aconteceu  em Aquidauana, a 141 quilômetros de Campo Grande

Uma mulher foi condenada a 8 anos de prisão, em regime semiaberto, por deixar a filha de 11 anos ser estuprada pelo dono da kitnet em que elas moravam. O estuprador, de 53 anos, foi condenado a 14 anos e 8 meses de prisão, e segundo ele os atos eram consentidos pela mãe, que não tinha dinheiro para pagar o aluguel, e por isso deixava o homem abusar das duas.

-Publicidade-

O caso aconteceu  em Aquidauana, a 141 quilômetros de Campo Grande. Os abusos aconteceram entre os meses de março e abril de 2017, quando a menina tinha 11 anos. Segundo a denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), foram pelo menos cinco abusos cometidos.

A mãe não tinha dinheiro para pagar o aluguel, e permitia que a filha fosse estuprada como forma de pagamento
A mãe não tinha dinheiro para pagar o aluguel, e permitia que a filha fosse estuprada como forma de pagamento (Foto: Getty Images)

Ela e a mãe, na época, com 28 anos, haviam se mudado em março de 2017 para a kitnet de propriedade do mecânico, que morava no mesmo terreno. Já em março, o homem começou a dar doces e pequenas quantias em dinheiro, cerca de R$10. Logo em seguida, começaram os estupros.

Segundo a denúncia, o homem se aproveita dos momentos de ausência da mãe da criança. Depois dos estupros, mantinha o hábito de presentear a menina com mochila, bicicleta e chegou a dar R$80,00. O mecânico dizia a ela que queria manter relações sexuais com as duas que lhes daria “tudo o que precisassem”. Por conta da precária condição financeira das duas, a menina cedia.

A garota relatou à conselheira que a mãe sabia dos abusos e, uma vez, chegou a flagrar os dois juntos, nus, na cama. Até se deixou na cama com eles, mas acabou saindo em seguida, dizendo que “ficou com vergonha” da presença da criança entre eles. A menina disse que a mãe se omitia para não precisar pagar aluguel. Segundo a sentença, os dois vão poder recorrer em liberdade da sentença condenatória.