Abuso sexual infantil: veja como ensinar seu filho a se proteger e denunciar os casos

As crianças precisam se sentir seguras para contar a pessoas de confiança quando alguém tenta tocá-las de forma inapropriada ou abusá-las de alguma forma

Resumo da Notícia

  • Por dia, 233 agressões de diferentes tipos são registradas segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria
  • Os abusos podem acontecer de forma física, psicológica e tortura
  • É muito importante que as crianças tenham informação e saibam pedir ajuda quando necessário

Não é de hoje que a violência sexual é um assunto que deve ser colocado em pauta: sempre existiu, mas antes as histórias ficavam escondidas entre quatro paredes ou eram abafadas pela família. O abuso sexual infantil acontece e é mais frequente do que se imagina

-Publicidade-

O caso da menina de 10 anos que engravidou após ser estuprada pelo próprio tio é a prova que a violência sexual infantil pode vir de qualquer lugar — e é isso que mais assusta. São casos horríveis que podem envolver desde desconhecidos até pais, padrastos, professores e líderes religiosos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, diariamente, são notificadas no Brasil, em média, 233 agressões de diferentes tipos (física, psicológica e tortura) contra crianças e adolescentes com idade até 19 anos.

As crianças precisam se sentir seguras para contar aos pais ou para pessoas de confiança quando alguém tenta tocá-las de forma inapropriada (Foto: Freepik)

Os números já são bastante alarmantes e com a pandemia do novo coronavírus e necessidade de isolamento social, eles tendem a aumentar ainda mais. Dados da UNICEF reforçam essa tendência ao apontar que as taxas de abuso e exploração de crianças e adolescentes costumam crescer durante emergências de saúde públicas (à exemplo do surto de ebola na África Ocidental, que levou ao fechamento das escolas).

Como proteger seu filho de abusos sexuais

Você já conversou com seu filho sobre o que é abuso sexual? O tema é bastante delicado, mas as crianças precisam se sentir seguras para contar aos pais ou para pessoas de confiança quando alguém tenta tocá-las de forma inapropriada ou até abusá-las de alguma forma. Por se tratar de um assunto que ainda é considerado tabu, muitas pessoas ignoram o problema. Só que é muito importante dizer para seu filho que, sempre que ele se sentir incomodado com algum toque, ele deve dizer “não” e contar imediatamente para alguém de confiança o que está acontecendo.

Falar sobre sexualidade com as crianças é um dos melhores caminhos para evitar os abusos sexuais. A Organização das Nações Unidas já se posicionou dizendo que a educação sexual ajuda a evitar casos de violência, abuso infantil e gravidez na adolescência. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) também defende a informação de qualidade como um dos melhores jeitos de prevenção. E os especialistas são categóricos: essa é uma conversa que deve começar dentro de casa.

Você não precisa (e nem deve) bombardear seu filho com todas as informações de uma vez só. O ideal é que as explicações venham aos poucos, quando a criança der “brechas” para isso. Um estudo publicado no Journal of Adolescent Health mostrou que uma única conversa não resolve o problema. É preciso que esse papo aconteça de forma constante e natural, desde cedo.

(Foto: Getty Images)

“Os pais devem conversar frequentemente com seus filhos sobre muitos aspectos da sexualidade de uma forma que ajude a criança a se sentir confortável e ouvida, mas nunca envergonhada”, explica Laura Padilla-Walker, uma das autoras da pesquisa. Os resultados também mostraram que quem tem esse canal de comunicação aberto durante a infância costuma ter relações sexuais mais seguras quando adulto.

O importante é que seu filho veja em você uma fonte confiável de informação e se sinta confortável para fazer perguntas sempre que aparecer alguma dúvida. Quando isso acontecer, deixe os questionamentos da criança guiarem a situação. Você não precisa responder nada além do que foi perguntado. Dê respostas simples e adequadas para a idade, mas nunca deixe de respondê-las.

Hoje, com tantas tecnologias e fontes de informação, pode acontecer de seu filho entrar em contato com esse assunto por meio de outras pessoas. É justamente por isso que você, como pai, mãe ou responsável, deve ser o primeiro a introduzir esse tema, mostrando que está sempre aberto para responder todas as dúvidas que aparecerem. Assim, evita que a mensagem chegue errada, incompleta ou de uma forma que você não gostaria.

Ficar de olho no que as crianças assistem na televisão e nos conteúdos que elas consomem na internet e nos videogames também é uma boa. Sempre que puder, tire um tempinho para participar dessas atividades junto com o seu filho. Além de supervisionar as informações a que ele tem acesso, você ganha uma oportunidade interessante de falar sobre sexo e sexualidade. Se estão vendo um filme e aparece uma cena de casamento, por exemplo, é uma chance legal de conversar sobre como funcionam os relacionamentos.

Eu me protejo

Com o intuito de informar e instruir os pais sobre o assunto, o projeto “Eu me protejo” lançou uma cartilha educativa para prevenção do abuso infantil voltado para crianças até 8 anos. O conteúdo  foi construído com a colaboração de mais de 50 especialistas no assunto, testado e validado em diversas creches, escolas, clínicas e consultórios.

“Uma das consequências terríveis que a pandemia nos trouxe foi o aumento de abuso e violência contra crianças e adolescentes. Se para nós, adultos, é difícil falar sobre nossos sofrimentos e sobre os abusos que já vivemos (para os que já sofreram) imagine para uma criança? Uma barreira quase intransponível limitada por um muro gigantesco de medo, vergonha e falta de informação. Consegue imaginar ter que pular 5 metros de altura? É preciso muita reflexão para compreender, enorme força para aceitar e infinita coragem para falar”, conta a jornalista Mariana Reade, embaixadora da Pais&Filhos, que faz parte da campanha Eu Me Protejo. 

Entenda como se prevenir (Foto: Reprodução/Eu me protejo)

“Nosso sonho é educar para prevenir a violência sexual infantil. Para isso criamos uma cartilha para crianças de 0 a 8 anos aprenderem a se proteger”, diz Mariana. Com informações e desenhos para conversar de um jeito simples com as crianças sobre seu corpo e sobre como ela pode aprender a se proteger, a cartilha é para ser lida em família, por educadores ou protetores. Acesse a cartilha clicando aqui.

O que falar, de acordo com a idade

Por mais que a gente saiba a importância de falar sobre sexo e sexualidade com as crianças, a prática nem sempre é tão fácil quanto parece. Às vezes, surgem perguntas inesperadas e que exigem uma boa dose de jogo de cintura. Pensando nisso, o National Center on the Sexual Behavior of Youth (Reino Unido), lançou uma cartilha para ajudar os pais nessa missão. A seguir, veja quais são as recomendações sobre o que deve ser dito ou não, de acordo com a idade:

Até os 4 anos

  • Explique que meninos e meninas são diferentes
  • Dê nomes precisos para as partes do corpo, incluindo os órgãos genitais. Nada de ficar inventando “apelidos”
  • Conte que os bebês vêm da barriga da mãe
  • Estabeleça regras sobre limites pessoais, como manter as partes íntimas sempre cobertas
  • Dê respostas simples a todas as perguntas sobre o corpo e as funções corporais
  • Fale sobre a diferença entre toques aceitáveis (que são agradáveis e bem-vindos) e toques inadequados (que são desconfortáveis, indesejados ou dolorosos)
  • Diga que seu filho tem a liberdade para dizer “não” todas as vezes que não se sentir confortável com a ideia de ser tocado, inclusive quando parentes e amigos quiserem dar beijos ou abraços
  • Explique que ninguém (crianças e adultos) tem o direito de tocar em suas partes íntimas
  • Mostre que seu filho pode confiar em você e que está disponível e aberto para ouvir tudo o que ele tem a dizer. Peça para que ele não guarde segredos
  • Explique a diferença entre “surpresa” (que é algo que será revelado em breve, como um presente) e “segredo” (que é algo que você nunca deve contar)

Dos 4 aos 6 anos

  • Diga que os corpos dos meninos e das meninas mudam conforme eles vão ficando mais velhos
  • Explique como os bebês crescem na barriga da mãe e conte sobre o processo de nascimento
  • Estabeleça algumas regrinhas sobre limites pessoais, como sempre manter as partes íntimas cobertas em público e nunca tocar as partes íntimas dos colegas
  • Oriente sobre como seu filho deve agir se um estranho fizer qualquer tipo de convite. Fale que ele deve imediatamente avisar a família, o professor ou outro adulto de confiança
  • Explique que é errado que alguém toque suas partes íntimas sem permissão ou peça para você toque as partes íntimas de outra pessoa, mesmo que seja de alguém conhecido ou da família
  • Diga que, se uma situação de abuso acontecer, a criança nunca é a culpada e que ela precisa contar o que aconteceu para alguém de confiança

Dos 7 aos 12 anos

  • Fale sobre as mudanças da puberdade e explique como podemos lidar com elas
  • Dê noções básicas sobre reprodução, gravidez e parto
  • Oriente sobre os riscos da atividade sexual, como gravidez e DSTs
  • Converse, de forma simples, sobre o que são métodos contraceptivos e como eles funcionam
  • Explique que o abuso sexual não precisa, necessariamente, envolver toque
  • Dê orientações sobre como se manter seguro ao conversar e conhecer pessoas pela internet
  • Fale sobre namoro e estabeleça “regras” sobre o assunto
  • Mostre como ele pode reconhecer e evitar situações de “risco”

Não se cale!

Denuncie, compartilhe, debata e até grite, se necessário. Qualquer tipo de violência deve ser notificada às autoridades, Conselho Tutelar ou uma delegacia, para que possam adotadas as medidas de proteção rapidamente.

Durante a pandemia, as denúncias anônimas devem ser feitas pelo Disque Denúncia – 181, 180 ou 100. Ainda há um serviço, lançado pelo Governo Federal, em que pode registrar a denúncia através do aplicativo “Direitos Humanos Brasil”. Esses canais servem como apoio, denúncia, amparo e orientação em todo o Brasil.

É preciso jogar luz sobre o mundo obscuro e cruel do abuso infantil. Essa é nossa maior arma para proteger as crianças.