Nova lei da cadeirinha: entenda o que muda e a importância para a segurança do seu filho

Com o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados, a multa para quem desobedecer será gravíssima. Saiba quais são as recomendações e as formas de instalar o acessório dentro do carro

Resumo da Notícia

  • Entenda como a nova lei irá funcionar
  • O não uso da cadeirinha pode implicar em uma multa gravíssima
  • Saiba como usar o acessório corretamente
  • A cadeirinha é indispensável em qualquer viagem ou passeio, até mesmo nos mais curtos

Com a Semana Nacional do Trânsito, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, 22 de setembro, o texto do Novo Código Nacional de Trânsito. Um dos principais pontos do projeto é a classificação “gravíssima” para condutores que não usarem a cadeirinha no transporte de crianças. A expectativa é de que presidente sancione o projeto até a próxima sexta-feira. A partir da respectiva publicação no Diário Oficial da União, as novas regras passam a vigorar no prazo de 180 dias.

-Publicidade-
Veja como a nova lei irá funcionar (Getty Images)

De acordo com o documento, o equipamento será obrigatório para crianças menores de 10 anos, ou que ainda não atingiram 1,45 m de altura. No Brasil, o trânsito ainda é a principal causa de morte acidental dos zero aos 14 anos. Em média, cerca de três crianças vêm à óbito diariamente, sendo apenas em 2018, 534 mortes por este tipo de acidente, segundo o Ministério da Saúde.

 

-Publicidade-

Quando o assunto é andar de carro com as crianças, o acessório é indispensável. Para cada idade, é exigido um item e modelo diferente, que você precisa ficar de olho! No caso de crianças até 13 kg, os pais devem optar pelo bebê-conforto, virado para o vidro traseiro e de costas para o banco do passageiro. A partir dos 14 kg, a cadeira precisa de ainda mais segurança, sendo posicionada virada para a frente do veículo. Dos 15 aos 36 kg, é recomendado o uso do assento elevado.

Ainda para manter a segurança do seu filho, Gabriela Freitas, gerente-executiva da ONG Criança Segura recomenda que o cinto de todas as cadeiras deve ter um dedo de folga. Dessa maneira, ele não aperta demais e garante a segurança da criança.

Como instalar?

Apesar da diversidade de modelos, as formas de instalar a cadeirinha no automóvel são apenas duas: o cinto de três pontos e o isofix. Se optar pelo segundo sistema, a ONG explica que o funcionamento é feito por ganchos: “Ele prende os dispositivos de retenção por meio de hastes metálicas, que se fixam em ganchos que são soldados diretamente nos chassis do carro. Além disso, possui um terceiro ponto de ancoragem, que pode ser uma haste apoiada no chão do automóvel ou uma fita a ser fixada no teto. Dessa forma, dispensa o uso do cinto de segurança do veículo na hora da instalação”.

Vale lembrar ainda que o isofix não substitui o uso do cinto de segurança do carro, permitindo que durante um acidente a criança não seja ejetada para frente: “Por isso, para evitar qualquer dúvida e problema, é preciso que o consumidor fique atento a qual tipo de dispositivo de retenção infantil está comprando e sempre siga corretamente o manual de instrução, independentemente da nomenclatura utilizada pelo fabricante para definir o produto. Dessa forma, é possível garantir a segurança no transporte de crianças”, completa a ONG.

O uso da cadeirinha é indispensável em qualquer viagem e passeio (Foto: Getty Images)

Posso usar outros acessórios?

Apenas se houver indicação do fabricante! Caso não implique na segurança do dispositivo, os apoios para cabeça, capas personalizadas e outros acessórios podem ser usados.

Quando meu filho pode usar apenas o cinto de segurança?

Segundo a legislação brasileira, as crianças só devem passar do assento de elevação para o cinto de segurança caso atinjam 10 anos de idade ou sejam maiores que 1,45 m de altura. O acessório serve para deixá-la mais alta, permitindo que em um acidente o cinto suporte o impacto pelas tiras.

Dicas para deixar seu filho seguro dentro do carro:

  • Nunca saia de carro com crianças sem usar o bebê conforto, a cadeirinha ou o assento de elevação, nem mesmo para ir só até a esquina. Esteja sempre atento, pois muitas colisões acontecem próximas à área de destino e origem ou em ruas com baixo limite de velocidade;
  • Só use bebê conforto, cadeirinha e assento de elevação que possuam o selo do Inmetro ou a certificação americana ou europeia;
  • Siga sempre o manual de instrução dos dispositivos de retenção veicular, certifique-se que eles são apropriados a idade da criança e que se adaptem adequadamente ao seu veículo;
  • O cinto de segurança é projetado para pessoas com no mínimo 1,45m de altura. Se a criança ainda não atingiu essa altura, ela precisa usar o assento de elevação para evitar que se machuque gravemente em caso de acidente;
  • O airbag do passageiro pode machucar seriamente uma criança quando essa estiver sentada no banco da frente. Por isso, se for transportar uma criança em camionete, desative esse dispositivo;*

Fonte: ONG Criança Segura

-Publicidade-