Após reunião familiar, 4 pessoas são internadas com covid: “Só um bolinho e parabéns”

Eles contaram que estavam seguindo as recomendações de isolamento social, mas começaram a se encontrar recentemente. Seis pessoas se contaminaram com a doença

Resumo da Notícia

  • 4 pessoas são internadas por Covid-19 após reunião familiar
  • Ela contou que eles estavam seguindo as recomendações de isolamento social
  • Depois da comemoração, seis pessoas se infectaram com a doença
  • Veja o que aconteceu

Um simples encontro em família acabou se transformando em um verdadeiro drama em Maceió. Depois da reunião, seis pessoas contraíram Covid-19. Dessas seis, quatro precisaram ser hospitalizadas e uma delas está na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em estado grave.

-Publicidade-
6 pessoas da família se infectaram (Foto: Getty Images)

Em entrevista à UOL, a relações públicas Izadora Garcia contou que a família desde o início estava tomando muito cuidado em relação ao coronavírus, seguindo todas as restrições do isolamento social. Recentemente, no entanto, alguns encontros começaram a acontecer na casa dos avós.

“Minha tia Girlene —que cuida da minha avó de 90 anos e tia-avó de 91— levou uma queda no início do mês passado, e a gente precisou ficar indo lá dar uma força. De certa forma, isso fez com que a gente acabasse relaxando e comemorasse os aniversários do mês de novembro por lá. Não foi bem festa: a gente só comprou um bolinho e cantou os parabéns”, disse ela.

-Publicidade-

De acordo com o que foi falado, estavam todos reunidos no dia 13 de novembro quando o tio começou a se sentir mal. “Não era nenhum sintoma gripal, e ele procurou atendimento médico. Inicialmente achavam que era a glicose descompensada. Mas depois ele começou a ter febre e positivou. Entre cinco e seis dias depois, todos que estavam na casa começaram a apresentar sintomas, exceto minha avó e minha tia-avó, de quem mantivemos o distanciamento o máximo possível”, relembrou. Hoje, ela, o marido, a irmã, a mãe e um casal de tios estão doentes.

Para ela, o alívio maior foi que as duas pessoas mais idosas da família não contraíram a doença. “A gente sempre se preocupou muito em não pegar covid-19 justamente pela fragilidade delas. Então nós ficávamos na parte externa da casa na maior parte do tempo e só entrávamos de máscara, evitando chegar perto delas. E foi isso que as salvou, com toda a certeza, porque evitou o contágio”, completou.

-Publicidade-