Brumadinho: sobrinho faz quadro com escombros da casa da família em imagem fortíssima

Dois anos após a tragédia que levou a vida de 270 pessoas, na qual onze ainda estão desaparecidas, Diego Coelho, de 33 anos, resolveu dar vida a casa que passou os melhores momentos da infância e transformar toda a dor em arte

Resumo da Notícia

  • Nesta segunda-feira, 25 de janeiro, fazem 2 anos da tragédia de Brumadinho
  • Diego fez um quadro e transformou a dor em arte
  • A tragédia deixou 270 vítimas e 11 desaparecidos

Dois anos após a tragédia de Brumadinho, Diego Coelho, de 33 anos, relembrou todos os momentos da casa onde passou toda a infância e adolescência com muita dor. No dia 25 de janeiro de 2019, às 13h, quando o telefone tocou, era um amigo contando sobre o rompimento da Barragem da Vale em Brumadinho, Minas Gerais.

-Publicidade-
Diego contou que viveu as melhores memórias de infância lá (Foto: reprodução / G1)

Naquele momento, ele não sabia que a casa onde tinha vivido “os melhores momentos da vida”, como descreveu em entrevista ao G1, no Córrego do Feijão, havia sido destruída, nem que os tios dele, Márcio Mascarenhas e Cleosane Coelho Mascarenhas, donos da Pousada Nova Estância, eram uma das 270 vítimas da tragédia. Onze pessoas ainda estão desaparecidas.

“Quando cheguei lá, vi um cenário assustador, de guerra mesmo. Minha família toda foi iniciada em Córrego de Feijão, são quatro irmãos casados com quatro irmãs, toda família tem história naquele lugar. Todo mundo vivia junto, ao lado da pousada da minha tia. Depois que me lembrei que a rota de fuga passava pelo terreno do meu pai”, disse ao site.

No momento da tragédia, não havia ninguém na casa. O pai de Diego havia saído do imóvel cerca de 15 minutos antes do local ser destruído. Depois daquele dia, ele sabia que sua vida “não seria mais a mesma”. Ele, que era profissional de tecnologia, virou artesão e transformou a dor em arte.

Ele soube da tragédia pela ligação de um amigo (Foto: reprodução / G1)

“Eu não tinha conseguido voltar a casa da minha tia ainda. Passei boa parte da minha infância lá, e através da arte eu quis ressignificar tudo. Transformar a dor em arte mesmo. Comecei a recolher as madeiras dos escombros da casa, fui criando as coisas e me apaixonei pela marcenaria. Nunca mais consegui ser o mesmo”.

A partir das madeiras do telhado e de outras partes destruídas da casa, Diego fez um quadro com as montanhas que avistava da janela da casa da tia. “O quadro tem um significado. Algo muito especial, que é justamente de transformação do que eu era para o que sou hoje, do que vivi para o que vou viver. Um pouco de história”.

Diego transformou a dor em arte (Foto: reprodução / G1)

Atualmente, de forma voluntária, Diego tem um ateliê e projetos sociais de futebol com crianças no Córrego do Feijão. Por oito meses, ele prestou auxílio para as famílias e bombeiros que trabalhavam nas buscas. “Passei a maior parte do tempo ali servindo os outros. Tentando fazer algo por eles. Não conseguia voltar ao que eu era ou fazia antes. Não dava. Agora, quero ensinar marcenaria para crianças e adolescentes de Córrego”. concluiu.

Veja o resultado do quadro feito com os escombros da casa da família (Foto: reprodução / G1)

Enxoval do bebê

Está preparando o enxoval ou a lista para o seu chá de bebê? Olha só essa novidade: você pode criar sua lista personalizada com produtos na Amazon, que pode ser compartilhada com amigos e familiares em várias plataformas. Além disso, você também pode ganhar 10% de desconto na compra na maioria dos itens! Saiba mais sobre a ferramenta e veja produtos para o enxoval do bebê CLICANDO AQUI. Para montar a sua lista, acesse AQUI!