Caso Henry: babá diz que está priorizando a saúde mental após prestar depoimentos

A Polícia Civil continua colhendo informações sobre o caso Henry, menino de 4 anos que perdeu a vida na madrugada do dia 8 de março

Resumo da Notícia

  • A Polícia Civil continua colhendo informações sobre o caso Henry;
  • O menino de 4 anos perdeu a vida na madrugada do dia 8 de março;
  • No entanto, nos últimos dias, a babá do garoto, Thayná de Oliveira Ferreira falou sobre os impactos dos seus últimos depoimentos à sua saúde mental.

A Polícia Civil continua colhendo informações sobre o caso Henry, menino de 4 anos que perdeu a vida na madrugada do dia 8 de março. No entanto, nos últimos dias, a babá do garoto, Thayná de Oliveira Ferreira falou sobre os impactos dos seus últimos depoimentos à sua saúde mental.

-Publicidade-

De acordo com o UOL, no último dia 12 de abril, a babá, chorou ao lembrar do menino e pediu desculpas ao delegado por ter mentido na sua primeira versão, quando disse que a relação da família era harmoniosa. E em seguida, passou a fazer revelações sobre o caso que têm ajudado a investigação e levaram a prisão de Monique Medeiros e Dr. Jairinho. 

Dr. Jairinho e mãe de Henry Borel foram presos na manhã do dia 8 de abril (Foto: Reprodução / TV Globo)

Contudo, de acordo com a advogada de Thayná ainda para o UOL, a jovem se preocupa com a reação de sua família com relação a toda exposição do caso. E comentou que está muito abalada: “Eu só quero estar reclusa cada vez mais e ser esquecida”.

A mulher disse, que após prestar os depoimentos e relatar as agressões por Henry tem cuidado da saúde: “Estou priorizando a minha saúde mental e minha paz interior. Estou muito triste com tudo isso. Eu só rezo todos os dias para que tudo seja resolvido o mais rápido possível”.

(Foto: Reprodução/ G1)

A advogada ainda lembrou: “A Thayná se emocionou bastante nos momentos em que lembrava do menino. Ficava dizendo que ele era muito carinhoso”, contou. E junto com a necessidade de falar a verdade, a advogada  conta que a babá chegou a ter medo de ser presa.