Criança morre afogada e a mãe é acusada de homicídio doloso em Santa Catarina

Mesmo os bombeiros tentando reanimar o bebê, a criança não resistiu. A mãe é acusada de homicídio doloso segundo delegado do caso

Resumo da Notícia

  • Mãe de 19 anos não vê filho se afogando na piscina e criança morre
  • O avô estava cuidando do bebê junto com a mãe, e, quando ele se ausentou a mãe não percebeu que a criança caiu na piscina
  • Os bombeiros tentaram reanimar mas a criança não resistiu ao afogamento

Uma mulher de 19 anos foi presa em flagrante em Navegantes, litoral Catarinense, depois que o bebê dela, de 11 meses, morreu afogado na piscina da própria casa. A fatalidade aconteceu na última quarta-feira, 27 de abril. O caso está sendo tratado como homicídio doloso, segundo fala do delegado que está cuidando do processo, Ricardo Saroldi.

-Publicidade-

Ele disse sobre o momento do ocorrido. “Ela dolosamente não quis cuidar. Contou que entrou na casa para mexer no celular e só se deu conta quando ouviu o avô gritando ao ver o menino na água”.

Na hora que a criança se afogou, os bombeiros foram acionados. Pelo o que parece, tudo aconteceu no início da noite. Quando a equipe de socorristas chegou, o bebê estava no colo dos familiares e não apresentava nenhum sinal vital. Algumas tentativas para reanimar ele foram feitas mas ele não resistiu.

Criança de 5 anos pede ajuda para amigo e consegue salvar mãe de sequestro pelo ex-marido
Segundo informações, a mãe só ficava no celular (Foto: Getty Images)

Conforme fala do Delegado, o avô da mulher de 19 anos estava em casa com a neta e o bisneto, que caminhava ao lado da borda da piscina, porém, a campainha tocou. Então, o avô saiu para atender mas falou para a neta – no caso, a jovem de 19 anos – olhar o filho dela.

Quando o homem voltou para a casa, viu a criança de bruços na piscina e sem nenhum sinal vital. O avô relatou, segundo oficial, que a neta tinha um histórico de cuidados relapsos com o próprio filho. Ele disse que a jovem “vivia no celular”. A mulher foi para uma audiência na última quinta-feira, 28 de abril. Ela não tinha antecedentes criminais e o pai da criança não morava com a jovem e o filho.