Duda Nagle relembra acidente que matou o pai: “Faleceu nas minhas mãos”

O trágico momento aconteceu depois de um cavalo se chocar contra o carro em que o artista estava junto ao irmão

Resumo da Notícia

  • Duda tinha 18 anos quando o pai morreu em um acidente de carro
  • Ele raramente fala sobre o assunto em público
  • Em entrevista à um podcast, ele deu detalhes do dia trágico

Duda Nagle relembrou a morte do pai, Rogério Marques Campos, que faleceu depois de um acidente de carro nas mãos do filho. No veículo, estavam Duda, Rogério e mais um dos irmãos do artista, no Dia dos Pais, até que um cavalo apareceu na estrada e se chocou contra o automóvel. O ator, que não costuma falar sobre o episódio, tinha apenas 18 anos quando tudo aconteceu. “Meu pai faleceu nas minhas mãos, numa tentativa de primeiros socorros”, conta.

-Publicidade-
Duda Nagle é casado com Sabrina Sato e pai de Zoe (Foto: Reprodução / Instagram)

“Estava no banco do carona, meu pai dirigindo e meu irmão do meio dormindo no banco de atrás (ele tem dois irmãos por parte de pai, de mães diferentes). Estávamos voltando da casa do meu irmão mais novo. Um cavalo atravessou a estrada e não deu tempo de freiar”, diz o artista ao podcast “Inteligência Ltda”.

Ele disse como foi o momento exato da batida: “Eu acordo, o cavalo chegando e bum…Aí é aquele negócio doido de vidro voando(…) Meu pai apagou e achei que ele tinha quebrado o nariz. Estávamos de cinto, mas o cavalo tem uma anatomia horrível para esse tipo de acidente, porque a frente do carro bate nas pernas do animal, e o corpo pesado bate no para-brisa.”

Duda então contou que depois do acidente, viu o pai desacordado e o irmão gritando, e saiu do carro pela janela e tentou abrir a porta que Rogério estava, auxiliando também o irmão a sair do local. De primeira, ele achou que o pai estava desmaiada pois “o rosto estava intacto”. Um médico estava passando pelo local e parou para ajudar a família.

“Quando a gente foi retirar o meu pai do carro, tirei meu casaco para apoiar a cabeça dele. Quando colocamos ele no chão, senti o cérebro quente dele na minha mão. Lembro muito do momento que eu vi e falei: ‘já era, né?’. O momento em que a realidade se impôs “, diz o artista, ele relembrou também que o médico tentou reanimar Rogério algumas vezes. “Foi traumatismo craniano na parte de trás da cabeça, fratura exposta”, completa o filho da jornalista Leda Nagle.