Grávida fica com bebê sem vida na barriga por três dias após falha no ultrassom

Jeane Gomes Rangel Caldeira, de 35 anos, estava de 8 meses quando procurou o Hospital Manoel Carola, na cidade de São Francisco de Itabapoana, no dia 15 de outubro

Resumo da Notícia

  • Uma grávida ficou com o bebê sem vida dentro da barriga por três dias após uma falha no aparelho de ultrassom do hospital.
  • Jeane Gomes Rangel Caldeira, de 35 anos, estava de 8 meses quando foi até o Hospital Manoel Carola, na cidade de São Francisco de Itabapoana
  • egundo os médicos, o bebê sofreu com um quadro de sífilis congênita, ficando sem oxigenação no útero

Uma grávida ficou com o bebê sem vida dentro da barriga por três dias após uma falha no aparelho de ultrassom do hospital. Jeane Gomes Rangel Caldeira, de 35 anos, estava de 8 meses quando foi até o Hospital Manoel Carola, na cidade de São Francisco de Itabapoana, no Rio de Janeiro, alegando sentir fortes dores na barriga.

-Publicidade-
O caso aconteceu no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução / Portal Viu)

Segundo a mãe, em entrevista ao Portal Viu, ela foi atendida na última quinta-feira, dia 15 de outubro, e liberada após uma injeção de buscopan. Como a dor não melhorava, a mulher resolveu voltar para o hospital no dia seguinte, 16, onde ficou em observação. Na troca de plantão uma das médicas suspeitou que o bebê pudesse estar paralisado e encaminhou Jeane para outro hospital.

Em Campos, cidade vizinha de São Francisco de Itabapoana, a mãe foi atendida pelo Hospital dos Plantadores de Cana. No dia 18 de outubro, no domingo, descobriu que o filho que carregava no ventre estava sem vida há dias. Segundo os médicos, o bebê sofreu com um quadro de sífilis congênita, ficando sem oxigenação no útero.

-Publicidade-
(Foto: Getty Images)

A ex-cunhada de Jeane, Priscila Lima dos Santos, explica que a situação só ocorreu porque não existia nenhum aparelho de ultrassom funcionando na cidade. “No hospital não tinha equipamento de ultrassom funcionando, apesar da Prefeitura divulgar que tem. Ela ficou três dias com criança sem vida na barriga. Se tivesse o aparelho, o desfecho dessa situação poderia ser outro”, conclui a parente.

-Publicidade-