Guerra da Ucrânia: pai refugiado esconde situação dos filhos e diz que fuga é para visitar primos na Polônia

O pai decidiu tornar toda a viagem, que é super cansativa, um pouco mais calma e tranquila para os filhos, que tem 3 e 6 anos, por isso, optou por não falar a verdade sobre a guerra

Resumo da Notícia

  • Pai foge da Ucrânia com família após a guerra
  • Eles foram para a Polônia
  • Para que os filhos, de 3 e 6 anos, não se sentissem tão preocupados e tristes, o pai disse que a fuga era, na verdade, um passeio para visitar um primo
  • Estima-se que cerca de 350 mil pessoas saíram da Ucrânia rumo à Polônia

Desde que a guerra começou na Ucrânia, muitas pessoas já deixaram o país. Boa parte dos refugiados estão buscando abrigos em países vizinhos, como na Polônia. Esse é o caso de uma família entrevistada nesta manhã pelo Jornal Hoje. No relato, a família contou que viajou por 5 dias de carro para mudar de país.

-Publicidade-

“Saímos eu, minha mulher, meus filhos e meu sogro. A gente viajou direto de carro, sem nem parar para dormir, por 5 dias”, contou. Os filhos dele tem 3 e 6 anos. Para acalmá-los com toda a situação, o pai decidiu não contar a realidade do que estava acontecendo e disse às crianças que estavam indo visitar um primo que mora na Polônia. Graças à imaginação fértil, a viagem cansativa e cheia de medos para eles foi apenas um passeio bom e tranquilo.

Pessoas esperam ônibus em uma estação enquanto tentam evacuar a cidade de Kiev, na Ucrânia
Pessoas esperam ônibus em uma estação enquanto tentam evacuar a cidade de Kiev, na Ucrânia (Foto: Pierre Crom/Getty Images)

Estima-se que mais de 660 mil pessoas já deixaram a Ucrânia e, dessas, 350 mil foram em direção à Polônia. O país já se preparou para receber essas pessoas que, quando chegam lá, são recepcionados com comida, água, brinquedos para as crianças, rações para cachorro e gato e diversos outros cuidados.

Mãe reencontra filhos entregues a desconhecidos em fuga do país

Uma mãe finalmente conseguiu reencontrar os filhos depois das crianças serem entregues a desconhecidos em meio a fuga da Ucrânia. O pai deles não conseguiu sair do local, devido ao decreto que proíbe homens de 18 a 60 de anos de deixar a Ucrânia em meio ao conflito.

A mulher ficou encarregada de procurar um local seguro que a família pudesse se alojar, enquanto o pai tentava deixar o país com os filhos. Por ter sido impedido de deixar a Ucrânia, o homem não teve outra opção a não ser deixar as crianças com desconhecidos que também deixavam o local.

Mãe reencontra filhos entregues a desconhecidos em fuga do país
Mãe reencontra filhos entregues a desconhecidos em fuga do país (Foto: Reprodução/ Youtube)

Uma outra mulher, desconhecida da família, ficou responsável pelos cuidados das crianças até que eles finalmente reencontrassem a mãe. O momento em que parte da família se encontra é emocionante, e foi filmado pela moça responsável por cuidar das crianças.

Como conversar com crianças sobre a guerra?

Você provavelmente não pensou que depois de uma pandemia teria conversas mais difíceis com seu filho por um bom tempo. Pois bem, aqui estamos de novo. Com toda essa situação da guerra que acontece na Europa entre Rússia e Ucrânia, é natural que seu filho escute algo sobre o conflito – seja no rádio do carro indo para escola, na televisão, na internet, ou até mesmo entre amigos e familiares. Um assunto como esses nunca é fácil de ser abordado e, assim como nós, é esperado que as crianças tenham muitas dúvidas sobre o tema.

Se seu filho chegar em casa perguntando sobre a guerra, a primeira dica é não se desesperar para falar sobre o assunto com ele. Para te ajudar com esse papo, conversamos com a Vanessa Abdo, embaixadora da Pais&Filhos, doutora em psicologia e CEO do Mamis na Madrugada, mãe de Laura e Rafael, que mostra caminhos para responder às dúvidas do seu filho. 

Segundo Vanessa, o primeiro passo é pensar na idade da criança: como tudo, a abordagem do assunto com crianças pequenas é diferente daquele com as mais velhas, que obviamente já podem entender mais do que está acontecendo. “Além da idade, é preciso olhar também para a maturidade com que a criança lida com esse tipo de assunto: morte, tragédia, qualquer coisa triste. Porque essa geração foi expostas a temas como esses de forma muito profunda e dramática, por conta da pandemia. Então é uma geração de crianças que já são assustadas, que foram expostas de maneira muito mais contundente do que a geração dos pais e dos avós”,  ressalta.

Para a psicóloga, outro ponto importante a se avaliar caso o tema surgir é olhar um pouco para si mesmo e entender quais são seus sentimentos frente a tudo que está acontecendo. “A gente precisa saber como a gente está lidando com essas emoções, quem somos nós. Nós somos os desesperados? Os alienados? Como que nós próprios estamos lidando com esse monte de assunto pesado ao nosso entorno? Isso vai influenciar bastante em como as crianças vão lidar”, aponta. Para ver mais dicas para tratar o tema, basta acessar nossa matéria completa clicando aqui.