Mãe com Covid-19 é intubada após parto de emergência e namorado pede orações em relato emocionante

Giulia Mara Santos de Oliveira, de 24 anos, testou positivo no oitavo mês da gravidez e precisou ser internada na UTI

Resumo da Notícia

  • Giulia Mara Santos de Oliveira foi intubada com coronavírus após realizar um parto de emergência
  • A bebê nasceu prematura, e a mulher foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
  • O namorado publicou relato nas redes sociais enquanto ela permanece na UTI, e ele cuida da filha recém-nascida

Giulia Mara Santos de Oliveira, de 24 anos, foi intubada com coronavírus após realizar um parto de emergência. A bebê nasceu prematura, e a mulher foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Santos, no litoral paulista.

-Publicidade-
Jovem que estava grávida de oito meses precisou ser intubada após parto de emergência  (Foto: Reprodução / Facebook)

Após quase um mês que Giulia apresentou os primeiros sintomas, o namorado Alessandro da Conceição Ferreira, de 27 anos, resolve publicar um relato em formato de diário para pedir orações nas redes sociais, e emocionou a web. “A Covid-19 chegou na minha família, e chegou da pior forma”, publicou.

Alessandro contou que ainda no oitavo mês da gravidez, Giulia começou a sentir sintomas da covid-19, ainda quando estava trabalhando em uma farmácia. Então, o casal começou a buscar um diagnóstico, já que ela começou a sentir dores fortes no corpo, na garganta, falta de ar e tosse.

-Publicidade-

O quer era uma suspeita de doenças gestacionais, se tornou o resultado positivo para o coronavírus sete dias depois de fazer os exames. De acordo com o namorado, Giulia foi medicada com remédios mais leves devido a gravidez, e demorou a aceitar fazer tomografia, por medo de prejudicar o bebê.

A mãe fez de tudo para proteger o bebê e concordou em fazer tomografia após os médicos garantirem que o procedimento seria feito de forma segura. “A preocupação maior era a nossa filha, ela fazia de tudo para proteger ela”, relembra Alessandro ao G1.

Então, no dia 7 de março, ela foi internada no hospital Casa de Saúde de Santos. Com 50% dos pulmões comprometidos, Giulia começou a apresentar piora no quadro, e os médicos disseram que seria necessária a intubação. Para realizar o procedimento, por conta da gravidez, foi necessário um parto de emergência, mesmo que ela tivesse apenas 8 meses.

Alessandro lembra que a filha não chorou quando nasceu, e pode ficar com o casal por pouco tempo, sendo levada para a UTI neonatal, por ser prematura. “Depois, quando ela chorou, começamos a chorar juntos, e a médica mostrou para nós antes de levar”, disse.

Após a mulher com Covid-19 ser intubada o relato foi postado nas redes sociais do namorado (Foto: Reprodução / Facebook)

No dia seguinte ao parto, a mãe foi intubada, mas antes de começar o procedimento, foi permitido que ela conversasse com o namorado por chamada de vídeo. “Eu disse que ia cuidar super bem da nossa filha, e ela ficou super feliz, pediu que eu avisasse os pais dela de que ia ficar tudo bem, e no fim da ligação, eu disse ‘se você precisar de algo, me grita, linda’. Esse foi o último sorriso que eu vi dela, antes de ser intubada”, escreveu em seu diário da internação publicado nas redes sociais. Antes da intubação, foi permitido que ela conversasse com o namorado por chamada de vídeo.

Desde o dia 10 de março, o casal fala por chamadas de vídeo diárias. A mãe já precisou de transfusão de sangue, teve uma trombose e contraiu uma bactéria. Por isso, Alessandro resolveu pedir orações nas redes sociais, com a ideia de alcançar mais pessoas.

A mulher pode ligar para o namorado antes de ser intubada em um hospital (Foto: Reprodução / Facebook)

Em uma espécie de diário, ele escreveu como foram os dias desde os primeiros sintomas. “Estão sendo os dias mais difíceis para mim. Fiz o que podia, pedi orações, quero que ela veja tudo que escrevi. Estou esperando ela para ficar comigo e com nossa filha. Tudo que eu estou fazendo, estou fazendo por ela”, disse.

Além de pedir orações, ele solicitou doação de sangue para o hospital, como forma de ajudar outras famílias. Ele também agradece ao trabalho dos profissionais. “Estamos tão perto, e ao mesmo tempo tão longe. A distância de um lugar para o outro é de um andar. Eu fico aqui, e vou continuar aqui, esperando ela voltar bem”, disse ele, que está com a filha, que já recebeu alta para o quarto, na enfermaria do mesmo hospital, enquanto a namorada segue internada.