Mãe dá à luz bebê de outra família por erro da clínica de fertilização

A mulher passou meses criando a menina após uma confusão em uma clínica de fertilização in vitro

Resumo da Notícia

  • Daphna deu à luz a um bebê que não era dela e cuidou por 4 meses
  • Segundo a família a clínica de fertilização in vitro cometeu um erro
  • Hoje em dias os bebês já foram trocados e estão com as respectivas famílias

Tanto Daphna quanto o marido, Alexander Cardinale, suspeitaram imediatamente de que algo estava errado depois que o bebê que ela deu à luz em 2019 tinha uma pele mais escura do que eles. O casal, porém, não disse nada na hora porque se apaixonou pelo bebê e confiou nos médicos da clínica de fertilização in vitro na Califórnia.

-Publicidade-

Foi apenas cerca de três meses depois que o casal descobriu a verdade: a clínica onde eles tinham ido para o tratamento implantou por engano o embrião de outro casal em Daphna e colocou o embrião de Cardinale na outra mulher, afirmaram a família. Tendo descoberto qual era a situação, Daphna, 43, trocou os bebês com o outro casal cerca de quatro meses após o parto em janeiro de 2020.

“Isso é algo que mudou quem somos”, disse Daphna à People. “Ainda é uma luta diária e continuará a ser.” Os Cardinales estão agora processando a clínica de fertilidade e o proprietário – o “California Center for Reproductive Health” e a Dra. Eliran Mor, com sede em Los Angeles, por negligência médica, fraude, entre outras coisas.

A ação exige um julgamento com júri e busca danos não especificados. “As pessoas cometem erros”, diz o advogado do casal, Adam Wolf, “E na maioria dos setores esses erros são bastante inofensivos. Eles podem ser corrigidos. Com clínicas de fertilidade, esses erros podem ter consequências para o resto da vida. Isso mudou fundamentalmente a vida de Daphna e Alexander, assim como seus dois filhos. ”

“Se não tivéssemos feito a fertilização in vitro, eu teria apenas atribuído [a falta de semelhança] à genética”, disse Alexander. “Ela apenas se parece com ela. Não é grande coisa. Mas porque nós fizemos fertilização in vitro, meu cérebro começou a ir para o lugar escuro.”

Ao lado esquerdo Alexander com a filha biológica, e do lado direito a filha mais velha do casal Olivia com o bebê do outro casa
Ao lado esquerdo Alexander com a filha biológica, e do lado direito a filha mais velha do casal Olivia com o bebê do outro casal (Foto: Reprodução/The Sun)

Apesar das dúvidas iniciais, o casal e a filha Olivia, de 5 anos, se apaixonaram pelo bebezinho de cabelos escuros, que não foi identificado pelo casal em respeito aos pais biológicos da criança. “Foi esse momento de pura felicidade, quando todos estão começando a se conhecer e se apaixonando”, diz Daphna, uma terapeuta. “Ela realmente se envolveu em nossas vidas e em nossos corações.”

Um mês depois do parto de Daphna, o casal recebeu uma ligação de uma funcionária da clínica de fertilização in vitro perguntando se eles poderiam enviar uma foto do bebê, afirmou o casal. Ficando frustrada com os comentários do marido e amigos, Daphna então trouxe para casa um kit de teste de DNA na esperança de pôr fim às especulações.

“Recebemos um e-mail que basicamente dizia que ela não era geneticamente aparentada com nenhum de nós”, disse Alexander. “Foi quando nosso mundo começou a desmoronar.” Ao saber da notícia, os Cardinales ficaram com medo de perder a menina que haviam aprendido a amar e também com medo de ter um filho biológico vivo por aí.

O advogado que eles contrataram foi então informado pela equipe da clínica de que os embriões do casal haviam sido misturados no laboratório usado pela clínica. Dias depois, eles também souberam que a clínica havia localizado os pais biológicos da  filha, que também havia recentemente dado à luz uma menina, dizem os Cardinales.

Os dois casais, junto com os bebês, foram submetidos a testes de DNA em dezembro de 2019 e receberam a notícia na véspera de Natal de que os testes haviam mostrado que eles haviam dado à luz os bebês um do outro. O advogado então enviou a Alexander uma mensagem de texto com uma fotografia da filha de cabelos loiros e olhos azuis.

Daphna e Alexander
Daphna e Alexander (Foto: Reprodução/The Sun)

“Eu descobri naquele momento que ela existia, como era e qual era seu nome”, disse Alexander, que soube que o outro casal havia batizado a filha de Zoe, que os Cardinales decidiram continuar chamando-a. “É estranho aprender o nome do seu filho quando você não o nomeou.”

De acordo com Daphna, o outro casal – que não quis ser identificado ou comentar publicamente – ficou igualmente “pego de surpresa e arrasado” com a notícia. Depois de semanas se encontrando com o outro casal e trocando bebês para breves visitas, os quatro pais decidiram em meados de janeiro de 2020, a troca constante era muito difícil para todos e disseram que era hora de os filhos viverem com os pais biológicos, os Cardinales reivindicaram.

Ao longo de quase dois anos, desde que os casais recuperaram os filhos – que moram a apenas 10 minutos um do outro -, eles estabeleceram um forte vínculo um com o outro. “Não há livro para isso”, disse Alexander. “Não há ninguém para lhe dar conselhos. Então, acabamos apenas meio que amontoados, nós quatro, e é uma bênção estarmos todos na mesma página. Passamos todas as férias juntos desde então. Passamos todos os aniversários juntos e meio que misturamos as famílias. ”