Mãe de menina morta no Hopi Hari se pronuncia sobre nova falha do parque: “Não aprenderam ainda”

Silmara Nichimura fez duras críticas ao Hopi Hari. Ela é mãe de Gabriela Nichimura, que faleceu em 2012 vítima de outro brinquedo do parque temático

Resumo da Notícia

  • Trava de segurança de montanha-russa do Hopi Hari se solta com brinquedo em movimento
  • A mãe de uma menina que faleceu em 2012 no parque fez duras críticas ao relembrar o caso
  • O brinquedo precisou parar com as atividades e todos que estavam no carrinho tiveram que descer a pé

Ontem, dia 13 de dezembro, a mãe da garota que morreu em 2012 ao cair de um brinquedo do Hopi Hari comentou sobre o último caso polêmico envolvendo o parque, que fica em Vinhedo, interior de São Paulo, no último sábado, dia 11 de dezembro. A montanha-russa Montezum precisou ter as operações interrompidas após uma das travas de proteção ter se soltado enquanto estava em pleno movimento.

-Publicidade-

Silmara Nichimura, mãe de Gabriela Nichimura, ficou indignada com a falha de segurança que o parque apresentou, e aproveitou a oportunidade para lembrar o caso da filha, a garota que morreu aos 14 anos enquanto estava dentro do brinquedo chamado La Tour Eiffel, que funcionava como um elevador.

Trava de segurança de montanha-russa do Hopi Hari se solta com brinquedo em movimento
Trava de segurança de montanha-russa do Hopi Hari se solta com brinquedo em movimento (Foto: reprodução YouTube)

“Como pode? Não aprenderam ainda. Em 2012 morreu minha filha linda e tão amada com apenas 14 aninhos em um brinquedo do Hopi Hari. Como a lei brasileira é uma porcaria, tudo ficou por isso mesmo! E depois de tantos anos os mesmos erros. Mesmas falhas! Eles só visam ao lucro mesmo. Falta de respeito, amor e cuidados com o ser humano”, escreveu Silmara em uma das redes sociais.

Os funcionários do Hopi Hari pegaram uma pena de dois anos e oito meses de prisão, entretanto esta foi revertida em serviços comunitários e pagamento de salários mínimos a uma entidade assistencial.

Além deles, o proprietário do parque também foi processado, porém o ex-ministro do STF (Supremo Triunal Federal), Celso de Mello, decidiu arquivar o processo. De acordo com ele, o fato do dono ser o proprietário não seria suficiente para apontá-lo como culpado, já que se esperava que os empregados se certificassem de que todas as normas de segurança seriam seguidas.

O caso

A montanha-russa Montezum, uma das principais atrações do parque temático Hopi Hari, que fica em Vinhedo, interior de São Paulo, precisou ter as operações interrompidas no último sábado, 11 de dezembro. O fechamento temporário da atração precisou acontecer depois que a trava de segurança de um dos carrinhos quebrou durante o percurso. Nesta segunda-feira, 13 de dezembro, a administração confirmou que houve parada técnica devido ao ocorrido.

Um vídeo que circulou nas redes sociais mostra o momento em que um homem que estava no brinquedo percebe que a trava se rompeu. Para avisar a equipe do parque, ele levanta a parte quebrada com as mãos e mostra o que aconteceu.

Trava de segurança de montanha-russa do Hopi Hari se solta com brinquedo em movimento (Foto: reprodução YouTube)

Vendo a situação, todas as outras pessoas que estavam no carrinho levantam as mãos e cruzam os braços para cima, sinal feito para avisar que algo está errado. O carrinho, então, para no meio do percurso.

Um pouco depois, no mesmo vídeo, é possível ver os funcionários do brinquedo indo até o carrinho para verificar o que havia ocorrido. Todas as pessoas que estavam no brinquedo precisam se levantar e sair da montanha-russa a pé. A trava que se soltou é a que fica no colo dos visitantes, prendendo a região da perna e o abdômen.

Em nota oficial, o Hopi Hari disse que o carrinho da montanha-russa estava no início do seu percurso quando o problema foi identificado.  “Logo após o início do ciclo, ainda no princípio da primeira subida da atração, o visitante sinalizou a necessidade de parada, fazendo o sinal de ‘X’ com os braços acima da cabeça (protocolo utilizado em todas as atrações do parque, quando um visitante, por alguma razão, solicita a parada do brinquedo), imediatamente, a equipe responsável pela operação suspendeu o ciclo, e iniciou a análise da ocorrência”, afirmou a assessoria do parque em um texto enviado à imprensa. Veja o vídeo do momento abaixo: