Para comemorar: empresas iniciam testes em humanos com possível vacina contra coronavírus

Se o produto provar ser seguro e eficaz, ele poderá estar pronto para ampla distribuição nos Estados Unidos até setembro, encurtando significativamente o tempo que geralmente é levado para aprovação de drogas para imunização

Resumo da Notícia

  • A empresa Pfizer e a empresa farmacêutica alemã Biontech SE, que começaram a testar vacina experimental contra o novo coronavírus nos Estados Unidos
  • O planejado é realizar a vacinação em 360 voluntários norte-americanos com idade entre 18 e 55 anos para a primeira etapa do estudos
  • Para os testes, os participantes serão divididos em grupos para comparar quatro variações da vacina
começaram a testar vacina experimental contra o novo coronavírus nos Estados Unidos (Foto: Getty Images)

A empresa Pfizer e a empresa farmacêutica alemã Biontech SE anunciaram na última segunda-feira, 4 de maio, que começaram a testar uma vacina experimental contra o novo coronavírus nos Estados Unidos, após aplicarem a vacina em voluntários, na Alemanha.

-Publicidade-

De acordo com a UOL, as empreses planejam realizar a vacinação em 360 voluntários norte-americanos com idade entre 18 e 55 anos para a primeira etapa do estudo, totalizando 8 mil voluntários ( incluindo pessoas mais velhas, até 85 anos) até o final da segunda etapa.

Os pesquisadores já administraram cinco doses na segunda-feira, sendo quatro delas de placebo. O procedimento deve ser o mesmo nos próximos dias. De acordo com as empresas, se a vacina provar ser segura e eficaz nos testes, ela poderá estar pronta para ampla distribuição nos EUA até setembro, encurtando significativamente o tempo que geralmente é levado para aprovação de drogas para imunização.

-Publicidade-

Como funciona a vacina

Vacina contra o coronavírus (Foto: Getty Images)

O desenvolvimento da vacina é baseado no material genético conhecido como “RNA mensageiro”, que carrega as instruções para as células produzirem proteínas de imunidade. Ao injetar um “RNA mensageiro” projetado de maneira específica no corpo, ele poderia dizer às células como produzir a proteína spike (que permite que o vírus infecte nossas células) sem deixar a pessoa doente.

 

 

Para os testes, os participantes serão divididos em grupos para comparar quatro variações da vacina, cada uma representando um formato de “RNA mensageiro” com instruções para criar uma versão diferente da proteína spike. Os médicos acompanharão de perto os níveis de anticorpos dos participantes.

Por que a data de disponibilização não é garantida?

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), existem mais de 100 vacinas em desenvolvimento no mundo contra o coronavírus, com pelo menos oito já em testes em humanos. Desenvolver, testar e revisar qualquer vacina em potencial é um empreendimento longo, complexo e caro que geralmente leva meses ou até anos.

Então, assim que as farmacêuticas mostrarem que a vacina é eficaz e não oferece nenhum risco grave, já é possível solicitar a aprovação. Porém, resultados de estudos mais detalhados ainda podem ser necessários para convencer os reguladores norte-americanos a aprovar a imunização para o público em geral.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-