Família

Professora que dá aula a 36 horas de casa ganha presente inusitado de projeto

Servirá também para todos os profissionais que dão aulas para salas multisseriadas

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

Professores aprendendo com o Projeto (Foto: Assessoria)

No dia 15 de outubro é comemorado o Dia dos Professores e Joleíse dos Santos é uma das pessoas que mais teve motivo para comemorar! Ela, que mora em Tefé, município amazonense, 36 horas de barco da capital Manaus, 14 horas de lancha rápida ou 1h20 de avião ganhou um presente diferente este ano: uma formação para ser uma profissional mais capacitada e ampliar as oportunidades.

Joleíse dá aula para uma sala com diversos alunos de séries diferentes. Eles aprendem, ao mesmo tempo, conteúdos diferentes, de matérias e disciplinas diversificadas. Pensando nisso que o Projeto Amazonas Sustentável, fruto de uma parceria da Petrobras, decidiu dar uma chance aos professores das classes multisseriadas.

Entenda o projeto Abrindo a caixa 

Cinquenta professores da rede pública de cada um dos quatro municípios de Coari, Tefé, Maraã e Uarini estão participando este ano do Projeto, que é composto por duas oficinas de formação – uma por semestre. Nelas, os professores se atualizam em relação a conteúdos e principalmente às metodologias de ensino. 

O recurso das classes multisseriadas é bastante utilizado em escolas de regiões rurais e áreas de difícil acesso, uma vez que a maioria delas tem um pequeno número de alunos e também poucos professores.

Para a formação está sendo utilizado o livro ‘Bases do Aprendizado para o Desenvolvimento Sustentável’, que contém 60 atividades que apresentam conteúdos formais voltados para alunos do 1º ao 5º ano. Elas auxiliam os professores na inserção de temas regionais em sala de aula, destacando elementos e valores da cultura amazônica, assim como abordam soluções para o desenvolvimento sustentável. Além disso, os professores receberam livros de contos com autores amazonenses como Thiago de Mello para auxiliar nas atividades.

As aulas são feitas para alunos de todas as aulas (Foto: Assessoria)

Segundo Gil Lima, coordenador de projetos da Fundação Amazonas Sustentável, o objetivo da formação é fortalecer o conhecimento dos professores com técnicas que permitam trazer uma abordagem mais divertida para a sala de aula, universalizando a metodologia de ensino. “Como são professores de classes multisséries, um conteúdo bom para um aluno pode não ser ideal para outro; por isso a ideia do projeto é dar a eles possibilidades, ampliar a visão e a capacidade de atuarem em sala de aula.”

O município de Tefé foi o primeiro a receber uma das oficinas. De lá, elas seguiram para Coari, Maraã e Uarini. As formações são ministradas por um grupo de pedagogos contratados pela FAS. No intervalo entre as duas oficinas do município, os alunos passarão por uma avaliação de aprendizado com o suporte do software EDK (Educational Diagnostic for Kids), desenvolvido pelo SIDIA – Samsung Instituto de Desenvolvimento de Informática para a Amazônia, em parceria com a FAS. Os resultados obtidos a partir das provas do EDK serão avaliados para propor melhorias no ensino infantil. Os professores também passarão por um processo de avaliação, em busca da melhoria contínua da qualidade da educação nas regiões.

Joleíse dos Santos, que participou da primeira formação em Tefé, afirmou que a formação trouxe um novo método que ela espera melhorar sua atuação em sala de aula. “Foi uma formação muito boa com o material didático conforme a realidade dos alunos. Fala da floresta, das nossas coisas, tem tudo a ver com a nossa realidade”, comemorou.

Leia também:

Professor leva crianças pela 1° vez ao cinema em comemoração ao Dia das Crianças

Professora fica com bebê por 3 horas enquanto mãe fazia o dever

Professor carrega aluna cadeirante no colo para que ela possa participar do passeio escolar