Família

Relato de adoção: “A espera foi longa, mas tem valido cada segundo”

Depois de quase quatro anos na fila de adoção, Eduardo e a Carla realizaram o sonho da maternidade

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Arquivo pessoal)

(Foto: Arquivo pessoal)

O Eduardo e a Carla participaram do projeto Lá em Casa é Assim”, parceria da Pais&Filhos com a Natura Mamãe e Bebê, e contaram como foi entrar no mundo da adoção — assim a família ficou muito mais completa com os filhos Jonas e Wiliam. Conheça essa linda história:

“Tenho 41 anos e sou casado com a Carla há 13 anos. Como sempre sonhei em ser pai, nós planejamos ter filhos assim que casamos, mas esperamos um pouco por causa da faculdade e do mestrado da minha esposa.

Resolvemos dar andamento a outros planos de nossas vidas e, depois de 2 anos, começamos a nos preparar para ter filhos. Infelizmente, descobrimos alguns problemas e nos indicaram tratamentos por fertilização e cirurgia, mas nada deu certo. Foi um processo muito desgastante.

Passado um tempo, falei para minha esposa que poderíamos adotar. Procuramos a vara da infância da nossa cidade e demos entrada em toda a papelada exigida. Foi mais um processo longo e desgastante para nós: muitas reuniões, visitas domiciliares e a expectativa de que o telefone tocasse com a tão aguardada notícia de que havia um filho a nossa espera.

Três anos e meio se passaram, cheguei até a me desligar para poder enfrentar a demora. Então, em 17 de Dezembro de 2017, depois de um dia de muito estresse no trabalho, o telefone tocou insistentemente e eu quase não atendi. No último toque, resolvi atender. No primeiro momento não entendi nada, mal escutei o que a funcionária do fórum tinha falado, fiquei em estado de choque. Sempre pensei que viria um filho e depois outro. Mas, para nossa surpresa, eram dois irmãos: Jonas, de 3 anos, e Wiliam, de 5 anos.

Em um mês, nossas vidas deram uma virada completa. Fomos fazer as visitas na cidade onde eles moravam e no mês seguinte fomos buscar os meninos. Pensávamos em mil coisas ao mesmo tempo. Como seria ter duas crianças dentro de casa para um casal acostumado a conviver só entre duas pessoas?

Mas hoje já faz cinco meses que os meninos estão com a gente e todos os dias eles nos ensinam algo novo. Agradeço a Deus por ter nos dado o melhor presente que poderíamos receber. A espera foi longa, mas tem valido cada segundo.”

Leia também

“Foi a melhor decisão da minha vida”, diz pai solo que cria a filha sem a mãe

Lá em casa é assim: “Morar em uma casa compartilhada é entender que o mundo é muito maior”

É possível, sim! Mãe solo viajou para 14 países com o filho de 9 anos fazendo mochilões