Família

Sargento se emociona ao contar resgate de mãe e filha em Brumadinho

Estamos todos de coração partido com essa tragédia

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

Imagem aérea da lama resultada do rompimento da barragem (Foto: Polícia Militar de Minas Gerais / Divulgação)

Sem dúvidas, os socorristas que estão ajudando no resgate de famílias na tragédia de Brumadinho estão fazendo, mais do que apenas um trabalho, estão sendo verdadeiros heróis. Sérgio Natalino do Batalhão de Rádio Patrulhamento Aéreo da Polícia Militar de Belo Horizonte fez história ao resgatar a mãe, Alessandra Paulista e a filha, Talita. Infelizmente, a caçula ainda está desaparecida.

Em entrevista ao Diário de Pernambuco, ele conta a experiência de chegar ao local. “Fomos ajudar no resgate aos sobreviventes naquele primeiro momento. Quando chegamos, vimos tudo acabado, lama para todo lado. Os vilarejos e as casas sumiram, pontes caíram.”, relembra. De cima do helicóptero, foi possível ver um corpo no meio do lamoeiro e desceram para fazer o resgate.  “Nosso papel é procurar e ajudar sem parar”, afirma o sargento.

Os bombeiros tentaram fazer a reanimação, por mais que parecesse difícil, as esperanças ainda estavam ali. Sérgio ajudou a colocar a moça, ainda sem saber sua história, no helicóptero. Ela estava coberta de rejeitos, o que tornava quase impossível ver seu rosto, mas quando ela mexeu a perna, ele sabia que iria conseguir salvá-la.

Alessandra, no caminho para o hospital, informou que as outras filhas, de 15 e 14 anos, ainda estavam na casa e precisavam ser resgatada. “Não apenas salvamos mais uma vida, como ajudamos uma família a se reencontrar, numa tragédia que separou tantos pais dos filhos. Tenho uma filha pequena e só de pensar em ela estar desaparecida, longe de mim, é devastador”, afirmou emocionado

Leia também:

Filho de homem desaparecido em Brumadinho faz vaquinha para tentar chegar à cidade

José Loreto posta foto com a filha e desabafa sobre Brumadinho: ”Meu coração chora”

Grávida de 5 meses está entre os desaparecidos em Brumadinho: “Ninguém consegue acreditar ainda”