Universidade de Oxford retoma testes de vacina contra o Covid-19

O instituto informou neste sábado que o procedimento será normalizado em todo o Reino Unido. A Fiocruz aguarda liberação da Anvisa para seguir com a testagem no Brasil

Resumo da Notícia

  • A Universidade de Oxford informou neste sábado, 12 de setembro, que os testes da vacina contra o Covid-19 serão retomadas
  • A testagem em massa havia sido interrompida após uma reação adversa em uma das voluntárias
  • No Brasil, 5 mil voluntários já receberam o imunizante e estão esperando a liberação da Anvisa para retomarem os procedimentos
 

A Universidade de Oxford informou neste sábado, 12 de setembro, que os testes da vacina contra o Covid-19 serão retomadas. A testagem em massa havia sido interrompida após uma reação adversa em uma das voluntárias. No Brasil, 5 mil voluntários já receberam o imunizante e estão esperando a liberação da Anvisa para retomarem os procedimentos.

-Publicidade-
Os testes serão retomados Foto: Getty Images

“Dezoito mil pessoas receberam vacinas do estudo ao redor do mundo. É natural que alguns participantes tenham reações adversas. Todos os casos devem ser avaliados com cuidado para garantir a segurança do processo”, disse a Universidade, em nota.

Os testes foram suspensos esta semana

Os testes foram suspensos na última terça-feira, 8 de setembro, pelo laboratório AstraZeneca após uma participante do Reino Unido desenvolver uma doença. Segundo uma nota da empresa, trata-se de uma pausa “rotineira” na produção de vacinas no caso de algum dos pacientes ter um “adoecimento sem explicação”: “É uma ação que precisa acontecer sempre que houver um adoecimento sem explicação em algum dos testes, enquanto isto é investigado, assegurando a manutenção da integridade dos experimentos”.

-Publicidade-
A vacina de Oxford está na fase 3 dos testes (Foto: Unsplash)

A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), que, ao lado do Instituto D’Or, conduz os testes no país, confirmou por meio de uma nota que as testagens por aqui também foram interrompidas. Segundo o comunicado, muitos dos cinco mil voluntários brasileiros já receberam a segunda dose do imunizante e até o momento não houve registro de mudanças graves de saúde nos pacientes testados.

Segundo a UOL, o Ministério da Saúde divulgou uma nota ressaltando o compromisso de garantir “uma vacina segura e eficaz em quantidade para a população brasileira. O governo informou, ainda, a pausa no estudo indica que “não haverá inclusão, neste momento, de novos participantes”, mas que os mais de 18 mil que já foram incluídos seguem na fase de testes.

-Publicidade-