YouTube e Google lançam novas ferramentas de proteção à criança na internet

Visando proteger crianças e jovens menores de 18 anos de conteúdos inadequados para a idade deles, bem como de publicidade infantil, a plataforma lançou novas medidas que protegem a privacidade dos usuários na internet

Resumo da Notícia

  • YouTube, YouTube Kids e Google lançam novas ferramentas de segurança na internet
  • A mudança visa atingir usuários das plataformas menores de 18 anos, principalmente crianças
  • Entenda mais sobre o que muda a partir de agora

As telas fazem parte da rotina de grande parte das famílias, principalmente das que têm crianças em sua constituição – afinal, como tudo na vida é questão de equilíbrio e saber seu próprio limite para dar conta de fazer o que é necessário, um vídeo pode ajudar uma mãe a conseguir comer seu almoço ainda quente enquanto o filho se distrai e se acalma.

-Publicidade-

E, já que a internet faz tão parte da rotina de crianças e jovens menores de 18 anos, é preciso pensar em recursos para protegê-los virtualmente. O YouTube, que já possui práticas de segurança para evitar que essas pessoas tenham acesso a conteúdos inadequados para a faixa etária deles – tanto na própria plataforma, quanto no YouTube Kids e também em seu aplicativo – criou mais um recurso de proteção.

“O objetivo do YouTube e do YouTube Kids sempre foi  promover um ambiente saudável e apropriado para as crianças e adolescentes. Entendemos que, hoje, os jovens estão se conectando cada vez mais cedo e por longos períodos, por isso, adotamos medidas que ajudam na conscientização sobre o uso dos aplicativos, tanto para as crianças, quanto para seus pais e responsáveis”, conta Clarissa Orberg, gerente de parcerias para conteúdos de educação e Família do YouTube Brasil.

O YouTube Kids, que antes já não permitia anúncios dentro da plataforma, agora está removendo conteúdos de publicidade infantil. Vídeos que têm como foco a embalagem do produto ou encorajam que crianças gastem dinheiro com brinquedos e similares não são mais permitidos. Além disso, o YouTube agora oferece um Guia para a família, que ajuda os pais e a criança a entender o tipo de conteúdo que está consumindo – incluindo o pago.

“Acreditamos que o papel dos pais também é fundamental nessa força tarefa de proteção do público jovem e infantil na internet. Do nosso lado, buscamos fazer esse processo o mais simples possível. Em fevereiro, lançamos, por exemplo, as experiências supervisionadas no YouTube, que permitem que os pais e responsáveis configurem e limitem o uso da plataforma da forma que acharem mais saudável. Agora, também passamos a oferecer uma opção de reprodução automática no YouTube Kids, que será desligada por padrão no app e assim, permitirá que cada família escolha a configuração que melhor se encaixa no dia a dia”, explica Clarissa.

Os internautas apoiaram a decisão da avó (Foto: Getty Images)

Para jovens de 13 a 17 anos, a configuração de envio dos vídeos será alterada para a mais privada possível. Assim, aquele conteúdo só poderá ser assistido por usuários escolhidos pela pessoa que publicou o vídeo no YouTube. Com essas mudanças, a ideia é ajudar as pessoas que consomem conteúdo no YouTube a entender a importância da privacidade digital, assim como a tomar decisões responsáveis na internet.

Utilizando o Family Link, plataforma do Google que ajuda famílias a desenvolverem hábitos saudáveis na internet, os pais podem limitar o tempo de uso de telas dos filhos, colocar lembretes nos dispositivos e supervisionar o conteúdo que as crianças estão acessando. Agora, o YouTube irá ativar lembretes de pausa de uso de telas e hora de dormir, além de desativar a reprodução automática para usuários menores de 18 anos. No YouTube Kids, também será adicionado a opção de reprodução automática, para que os pais possam escolher o conteúdo que os filhos irão consumir na internet.

“Nós sabemos que a geração atual de adolescentes e pré-adolescentes cresceu on-line. É na Internet que eles buscam aquilo que querem aprender, encontram conteúdo para se divertir ou formas de se conectar com outras pessoas, e queremos que essa experiência seja a mais positiva e responsável possível”, finaliza.