Mãe faz desabafo sobre parto cesárea: “Senti como se meu corpo tivesse falhado comigo”

Jesse Truelove, mãe de dois filhos, levantou um debate muito importante sobre o parto e, ao mesmo tempo, ajudou outras mulheres demonstrando apoio

Resumo da Notícia

  • Jesse Truelove, mãe de dois filhos, levantou um debate muito importante sobre o parto
  • A mãe demonstrou apoio para outras mães
  • Jesse disse que dar à luz parto cesárea, não te faz menos ma~e

Ao compartilhar um desabafo sobre a cesariana, Jesse Truelove, mãe de dois filhos, levantou um debate muito importante sobre o parto e, ao mesmo tempo, ajudou outras mulheres demonstrando apoio. Ela que vive na cidade de Guymon, em Oklahoma, emocionou muitas mulheres com o relato.

-Publicidade-
Mãe faz desabafo sobre parto cesárea e apoia outras mulheres (Foto: Reprodução / Instagram / @movewithtruelove)

“Acho que não percebi o quanto havia de vergonha de fazer cesariana até que passei por uma”, disse Jesse Truelove ao Good Morning America. “Eu tive uma assistente de parto, que era uma pessoa que apoiava, ela disse que eu era ‘muito boa para o trabalho de parto normal‘ e a cesárea ‘estava abaixo de mim’ e é por isso que eu não estava optando por uma cesariana”, completa.

Então, Jesse contou que tentou o parto normal durante 26 horas, mas precisou fazer uma cesárea. “Não importa como as mulheres escolham dar à luz seus filhos, no final do dia, somos apenas mães tentando sair do hospital com um bebê saudável e não há vergonha nisso – não importa como você faça isso”, acrescentou.

A mãe ainda contou que foi difícil descobrir que não conseguiria ter um parto normal. “Há ‘falha no progresso, colo do útero incompetente’ … essas palavras têm um grande peso para uma mãe que está tentando trazer um bebê ao mundo”, disse ela.

“O primeiro parto foi muito traumático e uma situação de emergência após 26 horas de trabalho de parto, uma infecção uterina … era tudo que eu não queria. Levei muito tempo para processar e digerir aquele parto”, acrescentou. “Eu definitivamente senti como se meu corpo tivesse falhado comigo.”

Pós-parto

Recentemente, Jesse publicou no Instagram uma série de fotos de quando deu à luz River, em março deste ano. As imagens e os desabafos tocaram muitas mulheres. “Se você fez uma cesariana, não há problema em lamentar o parto que não conseguiu”, dizia a legenda.

Mãe faz desabafo sobre parto cesárea  (Foto: Reprodução / Instagram / @movewithtruelove)

“Você é uma guerreira. Você fez a vida. Você trouxe essa vida ao mundo, a melhor maneira para você e para aquele bebê. Não há espaço para julgamento ou vergonha em torno disso. Apenas amor, apoio e orgulho. Não existe uma maneira fácil de dar à luz um ser humano. Estou orgulhosa de você. De todas as mães. De mim mesma”, completou.

Agora, ela dá aula de exercícios pré-natais e pós-parto para o núcleo e o assoalho pélvico. Jesse disse que a escolha de carreira foi motivada pelas experiências no parto das duas filhas. “Eu não sabia do que as mulheres precisavam disso até precisar”, explicou.

Jessie também disse que percebeu a pressão sobre as mães para “se recuperarem” após o parto, fazendo as mães acreditarem que estão falhando. Ela conta que, após o nascimento, percebeu que se sentia uma “estranha” no próprio corpo e, mesmo assim, ouvia com frequência que deveria ser grata por conseguir dar à luz. “Quer você faça uma cesariana ou um parto vaginal – o que é um grande trauma para o corpo – as mães não recebem apoio. O padrão de cuidado para as mães é tão baixo e a expectativa da sociedade é tão alta”, desabafou.

Culpa, não! Passar por um parto cesárea não te torna menos mãe

Há formas de se sentir mais resiliente em cada estágio da gravidez, trabalho de parto, parto e recuperação, de acordo com a obstetra Gladys Tse. Ela recomenda começar com um plano de parto flexível, e fala para as pacientes: “Nós estamos todas prontas para um parto natural, mas caso seja necessário, gostaria de saber o que aconteceria se fosse preciso uma cesárea”. Ela encoraja uma visão realista para saber que ter um plano de parto é parecido com ter um “plano do clima” para o dia do casamento. Você pode desejar um céu azul, mas não deve esperar por isso.

Quando o parto não segue como planejado, os médicos devem, sempre que possível, empoderar as mulheres, oferecendo opções e tempo. Uma mulher deve ter a chance de perguntar o motivo do médico estar recomendando uma cesárea, seguido de uma resposta detalhada e de alguns minutos para falar sobre isso com seu parceiro, parteira ou qualquer outro membro da rede de apoio.

Além disso, há práticas após a cesárea que podem ajudar a evitar decepção. Um segundo estudo que a Dra. Kristen ajudou a realizar, publicado no Birth, apontou que quando as mulheres que passaram por uma cesárea viram os recém-nascidos logo na sequência, seguraram, e amamentaram, reportaram “uma experiência de parto significativamente mais positiva” – tanto quanto a de mulheres que tiveram parto normal.

Uma palavra de encorajamento pode fazer toda a diferença. Alguns mantras também podem espantar as emoções negativas. A obstetra Gladys sugere repetir mensagens empoderadoras, como “Estarei melhor na semana que vem do que estou agora” e “Irei retomar a força rapidamente”. A internet também pode ajudar, com grupos no Facebook, ou até movimentos e hashtags no Twitter e Instagram.

O mais importante é respeitar o seu tempo e limites, mantendo a certeza que seu corpo fez um ótimo trabalho. Se você ainda não consegue acreditar nisso, seja paciente consigo mesma. As mulheres que sofreram com a decepção por conta do parto divulgaram três fatores que mudaram definitivamente suas perspectivas: o passar do tempo, escutar diferentes histórias de mulheres que se submeteram a uma cesárea e focar no fato de que esse procedimento as ajudou a evitar resultados piores.

Angelica Houston, que inicialmente sentiu que havia perdido a oportunidade de um “parto real”, eventualmente chegou lá: “Minhas filhas são saudáveis, e talvez não tenha sido ideal, mas isso não me torna menos mulher”. Nem ela, nem você.