Caso Miguel: gerente do condomínio conta detalhes da reação de ex-patroa após queda da criança

Miguel Otávio, de apenas 5 anos, caiu do nono andar de um prédio, no centro de Recife. A ex-patroa foi indiciada por homicídio culposo após a morte de Miguel, mas responde em liberdade após pagar fiança de R$ 20 mil

Resumo da Notícia

  • Sari foi indiciada por homicídio culposo após a morte de Miguel, mas responde em liberdade após  pagar fiança de R$ 20 mil
  • Nesta última sexta-feira, 12 de junho, Ramon Teixeira, o delegado responsável pela investigação,  ouviu a manicure
  • Confira os depoimentos
A mãe fez declarações sobre o caso  (Foto: reprodução / vídeo YouTube)

Sari Corte Real, irá responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A mulher deve prestar um novo depoimento nos próximos dias. O menino Miguel Otávio Santana da Silva, de apenas 5 anos, caiu do nono andar de um prédio, no centro de Recife.

-Publicidade-

Miguel é filho da empregada doméstica da família de Sari e estava aos cuidados dela porque a mãe, Mirtes Renata Santana de Souza, foi passear com o cachorro. A última imagem do garoto com vida é no elevador do prédio sozinho e Sari aperta o botão para ele.

O menino acessou a área de ar-condicionado do edifício e escorregou. Sari foi indiciada por homicídio culposo após a morte de Miguel, mas responde em liberdade porque pagou fiança de R$ 20 mil.

-Publicidade-
Miguel caiu do 9º andar de um prédio no dia 2 de junho (Foto: reprodução / vídeo G1)

Depoimentos

Nesta última sexta-feira, 12 de junho, Ramon Teixeira, o delegado responsável pela investigação,  ouviu a manicure Eliane Lopes, que estava no apartamento com Sari antes da morte do garoto. Ela é funcionária do salão de beleza que Sari costuma frequentar e só começou a ir à casa dela por causa da pandemia do novo coronavírus.

A manicure chegou à delegacia de Santo Amaro, acompanhada por dois advogados. O depoimento durou cerca de duas horas, mas não falou com a imprensa. Um dos advogados, Irineu Ferreira, deu algumas informações sobre o depoimento: “Ela não estava presente em todos os momentos do ocorrido, se manteve o tempo todo dentro do apartamento. Sari estava preocupada com o menino”, disse segundo o R7.

O gerente de operações do condomínio, Tomaz Silva, que ajudou a socorrer o menino, também foi ouvido na última sexta. Ele foi o terceiro a encontrar Miguel caído, depois do zelador do prédio e da mãe da criança. “Quem fez os primeiros socorros na criança fui eu. Foi uma cena muito triste, muito chocante. Infelizmente, senti o garoto indo embora, porque ele apertou a minha mão, eu dizendo a ele: aperta a mão do tio, a gente ainda vai jogar bola, reage! Mas, com mais ou menos um ou dois minutos, ele começou a enfraquecer e infelizmente aconteceu o que nós não queríamos”, lamentou Tomaz.

Ao ser questionado sobre a reação de Sari no momento do acidente de Miguel, o gerente de operações do edifício disse que achou que ela estava muito tranquila: “Ela disse para socorrer o menino no carro dela”. O gerente de operações afirmou que, após 15 minutos, recebeu a notícia da morte de Miguel. Além dos dois, o ex-síndico e o zelador do condomínio foram os primeiros a depor, na última quarta-feira.

Novo aplicativo Pais&Filhos Interativo: teste seus conhecimentos, acumule pontos para trocar por prêmios e leia conteúdos exclusivos! Para baixar, CLIQUE AQUI.

-Publicidade-