Gravidez

Mãe descobre doença durante a gravidez e precisa tomar decisão difícil

A história dessa jovem é de emocionar!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Brianna Rawiling deu a vida ao pequeno K aos 6 meses de gestação. (Foto: Reprodução)

Brianna Rawilings deu a vida ao pequeno Kyden, aos 6 meses de gestação. (Foto: Reprodução)

Quatro meses depois de engravidar, Brianna Rawlings, de 18 anos, recebeu a notícia devastadora. Ela estava com leucemia e, por isso, tinha que escolher entre ir em frente com a gravidez do filho , colocando a sua própria vida em risco, ou interromper gestação e aumentar suas chances de sobrevivência.

A jovem de Colyton, no oeste de Sydney, tomou uma decisão: queria ter o seu filho. Ao optar por continuar com o parto e dar a seu filho uma chance de lutar, ela reduziu pela metade suas próprias chances de sobrevivência, já que precisaria adiar a sua quimioterapia.

“Minha escolha foi Kyden, ele era meu filho e meu pequeno milagre”, disse ao jornal The Daily Mail. Mas aos seis meses de gestação, Brianna teve que fazer uma cesariana de emergência – ela tinha contraído uma infecção generalizada, e podia passar para o seu filho.

O pequeno Kyden nasceu prematuro de 26 semanas e sobreviveu apenas 12 dias. “Está sendo muito difícil, longo, exaustivo e doloroso. Mesmo não estando mais com a gente, ele me dá forças para lutar contra a doença”, desabafou Brianna.

Kyden sobreviveu por apenas 12 dias. (Foto: Reprodução)

Kyden sobreviveu por apenas 12 dias. (Foto: Reprodução)

Muito feliz e empolgada para ser mãe, um dos seus maiores sonhos era construir uma família. Quando Brianna foi diagnosticada, ela já estava batalhando contra a doença há meses. Médicos fizeram inúmeros exames, mas nunca encontraram resultados que justificassem os enjoos e as dores que a paciente estava sentindo, até que fizeram uma biópsia da medula óssea que diagnosticou o câncer raro e agressivo, que previne que o corpo dos pacientes produza células sanguíneas saudáveis.

O caso de Rawlings é tão raro e agressivo, que ela foi estudada por profissionais e médicos de todo o mundo. “Meu caso pode ajudar alguém no futuro. Estou contando a minha história, então isso dá esperança aos outros que estão lutando em suas próprias batalhas ”, contou Brianna.

Depois de alguns meses sofridos, a jovem voltou ao tratamento de quimioterapia e está empenhada a vencer essa batalha. “Vou vencer esta doença horrível. Acredito que posso fazer isso, e prometi ao meu filho ”, disse ela.

“Seja grato pelo que você tem diante de você!”, finalizou a jovem.

Leia também:

Superação: mãe relata seu desespero após bebê ter ficado em coma