Notícias

Vídeo de criança escapando por pouco de atropelamento é impressionante

A sorte é que o motorista dirigia dentro nos limites de velocidade

Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

Foto: Reprodução Twitter / @HWfireRAllen

Foto: Reprodução Twitter / @HWfireRAllen

Está aqui a prova de que ensinar às crianças como atravessar a rua – olhando para os dois lados – é muito importante. Esse motorista, que também é bombeiro, conseguiu gravar o exato momento em que uma criança, em cima de uma bicicleta, atravessa na frente do carro sem olhar para a estrada e quase causa um acidente.

O vídeo, que foi publicado pelo próprio motorista, Robert Allen, no Twitter, já circula nas redes sociais. O caso aconteceu no Reino Unido e muitos dizem em milagre, mas para Robert, tudo se tratou de cautela. “Ainda bem que eu estava dirigindo dentro dos limites de velocidade da via e tive reflexos rápidos”, ele escreveu. “Vi vários condutores a passar ali em excesso de velocidade e distraídos com o celular. Imaginem se fosse um deles”, acrescentou.

Sempre alerta

Primeiro dado chocante: acidente de trânsito é a principal causa de morte acidental de crianças de um a 14 anos no Brasil, de acordo com a ONG Criança Segura. O Ministério da Saúde divulgou que só em 2015, 1.389 crianças nesta faixa-etária morreram vítimas de acidentes de trânsito e em 2016, 12.288 foram hospitalizadas pelo mesmo motivo.

O primeiro passo para evitar esse problema é segurar a mão do seu filho sempre e não só na hora de atravessar a rua. A criança não tem noção do perigo e pode correr para o meio da avenida no momento que você menos espera. Outra notícia boa é que algumas empresas desenvolveram guia para as crianças, é uma espécie de colete, que vai na criança, com uma corda para o pai segurar. Facilita sua vida na hora de andar com seu filho na rua, você não o perde na multidão e evita que ele atravesse no meio dos carros sozinho.

Leia também:

Noivo abandona fotos de casamento para salvar criança

Rejeição de pai dói mais que de mãe, diz pesquisa

Não dá para acreditar que essa creche depilou as ‘monocelhas’ dos alunos