Engravidar

Mães contam como ficaram ansiosas durante a gravidez

Conversamos com um obstetra para entender os sentimentos mais decorrentes e dar dicas de relaxamento

Gabrielle Molento

Gabrielle Molento ,Filha de Claudia e Pedro

Stressed pregnant woman against blue background.

(Foto: iStock)

Está ansiosa com a gravidez? Relaxe. Esse sintoma é muito comum entre as mães. Pedimos para as grávidas que nos seguem nas redes sociais contassem um pouco sobre sua experiência de ansiedade durante o período e recebemos vários relatos. Pegamos alguns e pedimos para o obstetra Alberto Guimarães, criador do programa ‘Parto Sem Medo’ comentá-los, confira:

 

1. Relato Hellen Mesquita do Instagram @nutrindomeubebe: “Fiquei ansiosa demais, não conseguia esperar. Fiz cesárea eletiva por que não ia aguentar esperar. Hoje repenso muito sobre isso e com certeza o próximo virá na hora dele, sem pressa, sem ansiedade”.

Resposta Dr. Alberto Guimarães: Na verdade, se a gente fizer uma entrevista com mulheres no fim da gravidez elas não aguentam mais esperar. É algo bem comum! O que ajudaria seria quem está conduzindo o pré-natal mostrar que está tudo bem, reafirmar isso…

 

2. Relato Fernanda Stersa Oliveira do Instagram @selfiedamaternidade: “Tive uma gravidez anterior que não teve um final feliz, então quando engravidei novamente fiquei muito ansiosa, apreensiva… cada ultra que ia fazer era uma tensão e ao final uma alegria por saber que estava tudo bem… era uma ansiedade misturada com medo, mas ao mesmo tempo a alegria e a fé foram maiores e hoje tenho meu Gui que irá completar dois aninhos esse ano e é a razão da minha vida!”.

Resposta Dr. Alberto Guimarães: Uma perda, um aborto, sempre mexe com a mulher. Mas o que muitas não sabem é que, na realidade, o aborto muitas vezes diminui as chances da mãe perder o bebê na próxima gravidez. O que a mulher que passou por um desses casos deve fazer é esperar a evolução natural do feto! Tudo vai ficar bem!

 

3. Relato Layla Tressilla do Instagram @layla_tressilla: “Estou sofrendo muitooooo com isso, tive um aborto antes desta gestação então acredito que involuntariamente eu fico com mais medo de tudo, qualquer dor ou algo diferente que eu sinta já me desespero, inclusive tive crises terríveis de ansiedade nas semanas que se igualaram ao da última gestação quando houve o aborto! Mas estamos aqui seguindo e buscando controlar a ansiedade”.

Resposta Dr. Alberto Guimarães: Para todas essas mulheres, o que ajudaria muito é o segmento de um pré-natal, espairecer. Elas devem sempre se sentir seguras e entender o que está acontecendo, assim, não ficam com medo de qualquer dor ou sintoma.

 

4. Relato Juliana Furtado Cabral do Instagram @julianafurtadocabral: “Sofri tanto pela ansiedade que desenvolvi uma depressão pós-parto, mas segundo o meu médico, iniciou-se antes do bebê nascer! Faltam profissionais que realmente saibam sobre o assunto!”.

Resposta Dr. Alberto Guimarães: Realmente, esse é um assunto que muitos não sabem. Mas pacientes que têm alterações durante o parto têm maiores chances de alterações pós-parto. Além disso, quando alguém tem o diagnóstico de depressão no decorrer da vida, orientamos também a ajuda psiquiátrica no pré-natal porque ela pode ter mais chances de desenvolver problemas psicológicos no parto.

 

5. Relato Anna Carolina de Oliveira do Instagram @annacarolina1986: “Eu não era ansiosa, mas na minha primeira gestação passei a ficar, pois a gravidez não foi planejada e aconteceu em um momento em que estava tudo mais difícil pra mim. Cheguei a desenvolver síndrome do pânico tinha muito medo de morrer e deixar minha filha sozinha e pra completar na hora do parto tive problema com a anestesia, mas depois ficou tudo bem. E na segunda gestação não foi diferente, pois passei o tempo todo imaginando como seria na hora do parto por conta da anestesia. Resultado: passei a gravidez inteira com a pressão oscilando e com muita insônia e dor de cabeça. Mas graças a Deus ocorreu tudo bem na hora do parto”.

Resposta Dr. Alberto Guimarães: O não planejar pode gerar medo na mãe mesmo. Agora, no geral, a gestação em si é algo ansiogênico. Porque é um caminho que, mesmo que a mulher já tenho tido filho, vai ser percorrido de novo. Ninguém sabe como vai ser até passar por isso. É de se imaginar que você tenha medo e perca sono. O que você deve fazer e respirar, esperar e seguir o pré-natal.

 

O que fazer para diminuir a ansiedade:

O Doutor Alberto contou que fazer yoga e meditação são práticas boas para as grávidas com ansiedade e que ajudam na tomada de consciência de suas limitações. Ele disse que também é bom participar de grupos de gestantes para que elas entendam que o medo delas não é exclusivo.

Ter amigos e família apoiando é importante, além de se dar a liberdade de andar, namorar, curtir a vida. “Ter um ritmo mais normal possível de vida”, explicou o Dr. Alberto.

Conversamos também com Alexandre Alves da FitMommy, formado pela USP e especializado na YMCA em Londres em atividade física pré e pós-parto. Ele contou que fazer exercícios também ajuda a evitar a ansiedade.

“A ansiedade, especialmente, é um mal muito grande. Os bebês acabam sentindo tudo que a mãe sente, então se ela conseguir controlar a ansiedade, os bebês com certeza serão muito mais tranquilos e os bebês nascerão muito mais calminhos”, disse Alves.

A atividade física libera hormônio que geram sensação de prazer e pode ser uma grande aliada da mãe, ajudando a acalmá-la e acalmar seu bebê.  “Eu falo para as mães aqui ‘é hora de não se preocupar com os problemas, tentar solucioná-los sem se preocupar muito, porque quanto mais stress a mãe vive, mais ela passa para o bebê’. Então quanto mais ela conseguir fazer atividade física e quanto mais tranquila ela conseguir ficar, mais benefícios ela passa para o bebê”, concluiu Alexandre.

Leia mais:

Agitação ou transtorno de ansiedade: Você sabe a diferença?

Adeus ansiedade e angústia! Veja 8 passos para te ajudar na amamentação

Muito stress durante a gravidez? Cuidado com a ansiedade pós-parto

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não