Família

Amanda Pereira abre o coração sobre a chegada de Jorginho: “Não lembramos da vida antes dele”

O acaso provou para Amanda Pereira e André Polonca que a vida pode, sim, ficar ainda mais leve, poética e gostosa. Há um mês e meio Jorge chegou e mudou tudo para melhor

Marina Paschoal

Marina Paschoal ,Filha de Selma e Antônio Jorge

Amanda Pereira, André Polonca e o filho Jorge (Foto: Thalita Castanha)

 

Planejar o futuro e se organizar para que o que foi programado aconteça é bom e faz parte da vida de muita gente, assim como Amanda Pereira, nossa blogueira parceira, que veio de Goiânia para São Paulo tentar a vida na arte, como atriz. Tudo seguia bem, quase que como o planejado. Mas foram as surpresas que tornaram a vida dela ainda mais gostosa e alegre. E a maior dessas surpresas tem nome, sobrenome e chegou ao mundo há pouco tempo: Jorge Pereira Polonca, que mesmo com um mês e meio de idade já mudou tudo na vida dos pais, Amanda e André.

A participação da família na capa da Pais&Filhos é motivo de muita comemoração! (Foto: Thalita Castanha)

 

A história dessa família começou há quase 10 anos, quando o casal foi apresentado por amigos em comum. “Foi paixão à primeira vista, em dois meses estávamos morando juntos”, ela conta. André, que veio de Mato Grosso do Sul para a capital, também tinha o sonho de viver de arte, de música mais especificamente, numa dupla sertaneja com o irmão. Qualquer momento juntos era supervalioso para eles, já que tinham rotinas bem corridas, pois ela que também é jornalista, fazia teatro e programa de TV diário, e ele, sempre com a agenda cheia de shows. “A gente queria estar um perto do outro. Fosse no trabalho, no lazer ou na família. Estar juntos sempre foi muito precioso para gente”. Por isso, não demorou muito para que eles virassem sócios. Como ele já tinha trabalhado em grandes agências e ela tinha a experiência como comunicadora e administradora, nasceu a agência de comunicação Grupo AP2. 

Livros e objetos de arte não podem faltar! (Foto: Thalita Castanha)

 

A primeira letra do nome em comum torna tudo ainda mais especial (Foto: Thalita Castanha)

 


André veio de família de músicos e quando criança, aos 5 anos, participou da gravação deste LP, que fazia parte de um trabalho missionário do pai dele e que foi gravado com seus familiares (Foto: Thalita Castanha)

 

Lembranças da gestação já estão espalhadas pela casa (Foto: Thalita Castanha)

Via de mão dupla 

Depois de tantos anos juntos e trabalhando no mesmo lugar, eles já se acostumaram a responder qual é o segredo para que o relacionamento (e a sociedade) continuem dando tão certo. “Nós somos muito amigos e bem apaixonados até hoje. A gente evoluiu juntos, crescemos juntos e olhando para a mesma direção”, Amanda explica.

E o equilíbrio é o grande segredo. Isso porque, ela que sempre foi independente, começou a trabalhar cedo e saiu de casa para tentar a vida aos vinte anos, encontrou ele, um músico, romântico assumido. “Ele me trouxe frescor, leveza… Ele trouxe poesia pra minha vida. E acho que eu trouxe esse pé no chão para ele. A gente se completa”. 

Parte disso também é o convívio com os cachorros, que André teve desde criança e trouxe isso para a vida de Amanda. Logo adotaram Romeo e na sequência, Sophie.

Romeo e Sophie são os filhos de quatro patas e adotaram Jorge desde o primeiro momento, eles ficam de olho em todos os movimentos do bebê (Foto: Thalita Castanha)

 

Romeo e Sophie são os filhos de quatro patas e adotaram Jorge desde o primeiro momento, eles ficam de olho em todos os movimentos do bebê (Foto: Thalita Castanha)

 

(Foto: Thalita Castanha)

 

A peça que faltava

Focados na empresa e nas carreiras, eles foram adiando os planos de aumentar a família até que decidiram que iriam adotar uma criança. Mas, como a vida é cheia de surpresas, Amanda começou a suspeitar que estava grávida durante o 6º Seminário Internacional Pais&Filhos, em que o tema era “Maternidade Muda Tudo (ainda bem!)”. 

“Depois de ouvir sobre os sintomas, comecei a desconfiar daquele cansaço que eu estava sentindo, da TPM há três semanas… Fiquei com a pulga atrás da orelha”, lembra. Ela resolveu fazer o teste de farmácia e deu positivo. A esse ponto, ela desconfiava até do teste e resolveu repetir. Positivo de novo. “Pensei: preciso contar para ele, mas quero fazer algo especial”. Dito e feito. Ela preparou tudo: colocou música, meia luz e escreveu uma carta em terceira pessoa, como se fosse Jorginho falando com André. Quando ele leu e foi se dando conta do que se tratava, a felicidade tomou conta. “Nos emocionamos, choramos e praticamente não dormimos naquela noite planejando como seriam as coisas”, conta. Mas não pense que eles deixaram os planos de adoção de lado, não. Ele ainda existe e faz parte do futuro da família. 


Jorge é um bebê muito tranquilo, adora ninar no colo do pai e o chamego da mãe (Foto: Thalita Castanha)

 

Jorge é um bebê muito tranquilo, adora ninar no colo do pai e o chamego da mãe (Foto: Thalita Castanha)

 

Time completo!

A gestação foi tranquila e ela precisou ficar mais atenta, já que engravidou aos 40 anos. As aulas de fisioterapia pélvica e de pilates prepararam o corpo dela para o parto normal. No primeiro momento, eles optaram por não ter babá ou enfermeira. “Ficamos só nós três, nos conhecendo, aprendendo e criando o nosso vínculo”. 

Na prática, eles revezam os cuidados com Jorge, e o pai é responsável pelas trocas de fralda, por ninar e acalmar o bebê no turno da noite. No momento da mamada, ele colabora preparando alguma comida gostosa e quase sempre com música. “Ele está o tempo todo tocando, compondo ou cantarolando – e já tinha esse costume na gestação, então acho que o Jorginho reconhece. A participação do André torna tudo possível”. A volta ao trabalho tem sido gradual e eles se dividem entre reuniões e o bebê acompanha sempre a mãe, que leva uma enfermeira junto. “Se ela sinaliza que ele precisa de mim, eu peço licença, saio da reunião e vou amamentar, por exemplo”. 

Enquanto Amanda amamenta, os cachorros não saem de perto, e depois, mais colo do pai (Foto: Thalita Castanha)

 

Enquanto Amanda amamenta, os cachorros não saem de perto, e depois, mais colo do pai (Foto: Thalita Castanha)

 

O melhor lugar no mundo

Para a família, lar é sinônimo de porto-seguro. Por isso, prezam pela energia e calmaria da casa, que traz a sensação de leveza nas cores, na luz natural em abundância e no clima zen. “É para cá que a gente volta. Seja para comemorar as conquistas ou chorar e se refazer. Família é onde a gente se apoia de verdade”, ela acredita.

E Jorge não só faz parte deste círculo, como virou a prioridade e trouxe aos pais um olhar mais cuidadoso para o futuro. “Queremos ser melhores por ele, para inspirá-lo. Não lembramos da vida antes dele”, finaliza. 

O clima da casa é muito zen e as plantas reforçam essa sensação (Foto: Thalita Castanha)

 

O quarto de Jorge segue o método montessori e o guarda-roupa está cheio, só esperando ele crescer (Foto: Thalita Castanha)

 

O quarto de Jorge segue o método montessori e o guarda-roupa está cheio, só esperando ele crescer (Foto: Thalita Castanha)

 

O quarto de Jorge segue o método montessori e o guarda-roupa está cheio, só esperando ele crescer (Foto: Thalita Castanha)

Leia também:

Semana Mundial do Aleitamento Materno: como amamentar sem dor

A edição de outubro da Pais&Filhos já está nas bancas!

Mariana Kupfer abre a casa e o coração e fala sobre as dores e os amores da maternidade independente