Anvisa aprova importação de novas vacinas mas exige restrições rigorosas

A vacina Sputnik V, da Rússia, e da vacina Covaxin, da Índia foram aprovadas excepcionalmente

Resumo da Notícia

  • Nesta sexta-feira, 4 de junho, a diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, a importação temporária e excepcional  de duas vacinas;
  • A vacina Sputnik V, da Rússia, e da vacina Covaxin, da Índia;
  • No entanto,  devem haver restrições para o uso de ambos os imunizantes no país.

Nesta sexta-feira, 4 de junho, a diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, a importação temporária e excepcional da vacina Sputnik V, da Rússia, e da vacina Covaxin, da Índia, mas com restrições para o uso de ambos os imunizantes no país.

-Publicidade-
(Foto: Freepik)

A maioria na Anvisa aprovou importação de doses da Sputnik V e Covaxin. Essa autorização tem caráter emergencial e temporário, e foi autorizada sob restrições de uso das vacinas da Rússia e da Índia para determinados públicos.

As aprovações tiveram 3 votos favoráveis e 1 contrário. Grávidas, pessoas com doenças crônicas não controladas, pessoas com HIV e com histórico de anafilaxia pós-vacinação não devem tomar a vacina.  Os diretores fizeram ressalvas sobre o andamento dos estudos dos imunizantes.

(Foto: Freepick)

Anteriormente, o órgão rejeitou a importação de ambos os imunizantes. Atualmente, quatro imunizantes têm autorização para aplicação no Brasil: CoronaVac, AstraZeneca/Oxford, Pfizer/BioNTech e Janssen. O Ministério da Saúde já reservou mais de 20 milhões de doses da Covaxin e aguarda a autorização da Anvisa para importar as doses.

A decisão vale apenas para lotes específicos de imunizantes trazidos de fora e não configura autorização de uso emergencial pela agência. Protocolos rígidos devem ser seguidos  para uso controlado dos imunizantes.