Mãe de Madeleine McCann volta a trabalhar depois de 14 anos do desaparecimento da filha

Kate McCann voltou a trabalhar em hospitais locais em combate à Covid-19, no Reino Unido, após dedicar 14 anos em busca da filha desaparecida em Portugal

Resumo da Notícia

  • Kate McCann, mãe de Madeleine McCann voltou a trabalhar como médica, após 14 anos em busca da filha, desaparecida em Portugal há 14 anos
  • A médica está trabalhando em unidades de saúde locais contra a Covid-19
  • Suspeito por sequestrar a filha, foi preso no ano passado, na Alemanha

Após dedicar 14 anos em busca da filha, desaparecida em Portugal durante um passeio em família, Kate McCann volta aos trabalhos como médica em Leicester, Reino Unido. Segundo o jornal The Sun, a motivação para retornar foi pela pandemia da Covid-19.

-Publicidade-
Pais de Madeleine McCann, desaparecida em 2007
Kate McCann e Gerry McCann, pais de Madeleine, desaparecida em 2007 (Foto: Reprodução / Daily Mail)

“Estou fazendo a minha pequena parte para ajudar os necessitados”, disse McCann a um amigo, que relatou ao jornal que a médica está feliz e encantada por retornar a profissão. “Há uma grande demanda por médicos qualificados durante esses tempos sem precedentes”, afirmou uma fonte ao The Sun.

Ela está auxiliando unidades de saúde locais, e a nova rotina tem a deixado ocupada, a ponto de não ver o marido, Gerry McCann (53), com a mesma frequência de antes. “Kate está gostando de fazer sua parte e ajudar, mas quase nunca vemos o casal agora. Ambos estão muito ocupados”, ressaltou a amiga da família. Ambos são médicos, portanto, em algumas situações, Kate consegue trabalhar no mesmo local que Gerry, cardiologista renomado no Reino Unido.

Kate McCann também é mãe dos gêmeos Sean e Amelie (16), e dedicou muitos anos de sua vida para cuidar deles e continuar a busca por Madeleine McCann, desaparecida aos 3 anos, durante uma viagem de férias com a família em Portugal. O casal jantava em um restaurante no resort Ocean Club, no momento em que a filha foi levada do quarto, em 2007.

A intensa busca pela criança comoveu o mundo, e apenas no ano passado, encontraram o suspeito pelo sequestro: o alemão Christian Brueckner (44). Atualmente, encontra-se preso em Oldenburg, na Alemanha, cumprindo pena por tráfego de drogas. Entretanto, o homem também possui diversas denuncias por abuso sexual de mulheres e crianças.