Bruno Gagliasso desabafa sobre racismo e como os filhos serão tratados: “Tenho muito medo”

Na última terça-feira, dia 5 de julho, Bruno Gagliasso comentou sobre os três filhos no primeiro episódio do podcast apresentado pela esposa Giovanna Ewbank e Fernanda Paes Leme

Resumo da Notícia

  • Bruno Gagliasso apareceu no episódio de estreia do podcast de Giovanna Ewbank
  • No episódio, ele comentou sobre os 3 filhos e como fala sobre racismo com eles
  • O ator também comentou sobre preocupação com a violência no futuro das crianças

Na última terça-feira, dia 5 de julho, Bruno Gagliasso comentou no podcast “Quem Pode, Pod”, sobre os filhos Titi, Bless e Zyan e também como fala sobre o racismo na educação das crianças.

-Publicidade-
O ator Bruno Gagliasso contou sobre como fala de racismo com os filhos
O ator Bruno Gagliasso contou sobre como fala de racismo com os filhos (Foto: Reprodução / Instagram)

No episódio de estreia do podcast apresentado por Giovanna Ewbank, Fernanda Paes Leme, Bruno Gagliasso foi o primeiro convidado do programa. Nos primeiros minutos do episódio, Giovanna Ewbank perguntou para o marido: “E quais são seus medos reais na sociedade em que a gente vive em relação aos seus filhos?”. Rapidamente, Bruno respondeu: “Violência”. 

Em seguida, completou falando sobre uma preocupação a mais: “Mais ainda com a Titi e o Bless, porque a gente vive em um país racista, um país em que as pessoas são assassinadas sem um porquê. Eu vou ter que ter um papo diferente do que vou ter com o Zyan, por exemplo.” O pai ainda deu um exemplo para ilustrar a preocupação: “O Zyan parar em uma blitz vai ser diferente do que o Bless parar em uma blitz, e isso me dá medo”.

Bruno Gagliasso falou que se preocupa ainda mais com a filha Titi e o filho Bless
Bruno Gagliasso falou que se preocupa ainda mais com a filha Titi e o filho Bless (Foto: Reprodução/ Instagram/ @brunogagliasso)

Além disso, ao ser perguntado se esse “papo” com os filhos já acontece, ele respondeu que sim, e se emocionou ao falar: “Não tem jeito, e a gente tem que aprender a lidar com isso. […]  Eu quero os meus filhos fortes, eu quero os meus filhos ensinando outras crianças brancas a defender outras crianças pretas, a defendê-los. Eu quero que os meus filhos façam a diferença”.