Enfermeira desabafa após tragédia na família: “Perdi minha mãe, irmão e tio e as pessoas continuam dando festinhas”

Roseli Pereira Lopes teve seis familiares contaminados pelo coronavírus e três deles não resistiram à doença, a paulistana fez um depoimento sincero com detalhes da situação que está enfrentando por causa da pandemia

Resumo da Notícia

  • Roseli Pereira Lopes teve seis pessoas da família contaminadas pelo coronavírus e três deles perderam a batalha contra o vírus
  • De acordo com a enfermeira, a mãe, o tio e o irmão morreram em menos de um mês
Enfermeira desabafa após tragédia na família: “Perdi minha mãe, irmão e tio e as pessoas continuam dando festinhas” (Foto: reprodução / Facebook / Roseli Pereira Lopes)

Roseli Pereira Lopes, que é enfermeira, perdeu a mãe, o irmão e o tio para o coronavírus. Ao todo foram seis membros da família contaminados pela doença. Todos vivem em Itaquera, bairro da zona leste de São Paulo. De acordo com a UOL, ela comentou que nota que muitas pessoas continuam fazendo festas e reuniões mesmo com a quantidade de vítimas subindo a cada dia.

“Meu tio morreu no dia 25 de março, um dia depois de a quarentena começar em São Paulo. Tinha 75 anos. Ficou internado e intubado até morrer”, conta Roseli em entrevista ao UOLA paulistana disse que a família ficou assustada, porque tudo foi muito rápido. Já a mãe de Roseli tinha 77 anos e além de fazer parte do grupo de risco, sofria com bronquite asmática e era hipertensa.

“No dia 2 de abril, quando liguei para ela, me disse que no dia anterior começou tosse, mas achava que era de nervoso, e que estava se sentindo quente. Nesse meio tempo, meu irmão, de 46 anos, estava com dor nas costas e tosse, mas achava que era estresse”, relatou Roseli.

Ela conta que logo depois o irmão foi para o hospital, porque tinha passado muito mal na garagem da casa dele, mas pediu para Roseli não contar a mãe deles para não preocupar. “Ele foi transferido para a UTI, porém escondemos isso dela”, relembrou. Entretanto, não muito para a mãe de Roseli também se sentir mal e precisar ir para o hospital. “A médica já chegou falando que era coronavírus. Só que eu disse que ela não teve contato com ninguém”, contou.

Ao todo foram seis membros da família contaminados pela doença (Foto: reprodução / Facebook / Roseli Pereira Lopes)

“No dia 5 de abril ao meio dia ligaram para a casa do meu irmão que estava internado, solicitando um familiar na unidade. Pensamos que o médico ia adiantar a visita, mas a minha mãe tinha morrido e no mesmo dia meu irmão foi intubado. Na sexta, dia 10 de abril, chamaram para alguém ir até o hospital com o documento dele. Eu já sabia”, disse Roseli.

De acordo com a enfermeira em menos de um mês, três membros da família tinham falecido de coronavírus. Após a tragédia, a família descobriu mais três casos da doença. “Testaram positivo: meu irmão mais novo, de 40 anos, minha cunhada, de 46, e meu sobrinho, 17. Estão bem. Eu não peguei”, contou.

Roseli termina o depoimento dizendo que ficou assustada com a quantidade de pessoas na rua a partir do começo de maio. “Festas cheias de gente a cada quarteirão. Não é possível que as pessoas não se conscientizam. Não esperava que ia acontecer na minha família também. É desumano não receber um abraço nessas horas, não poder fazer velório, não poder reconhecer irmão. E tem muita gente que não está nem aí”, defendeu.

A enfermeira disse que se todos ajudassem, seria mais fácil voltar à rotina. “Eu também quero sair, visitar minha família, dar um abraço neles, mas nem isso pude fazer. Muitos não têm noção como um abraço faz falta”, encerrou.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!