Família lamenta morte de mãe e filho com Covid-19 no mesmo dia: “Estamos despedaçados”

Zenaide Barbosa de Oliveira, de 84 anos, e Mateus Barbosa Oliveira, de 45 anos, partiram com pouco menos de sete horas de diferença

Resumo da Notícia

  • Zenaide Barbosa de Oliveira, de 84 anos, e Mateus Barbosa Oliveira, de 45 anos, morreram com pouco menos de sete horas de diferença
  • Mãe e filho estavam lutando desde novembro contra um quadro grave de Covid-19
  • Os dois estavam internados em um Centro de Terapia Intensiva (CTI) de um hospital particular

Zenaide Barbosa de Oliveira, de 84 anos, e Mateus Barbosa Oliveira, de 45 anos, morreram no último sábado, 5 de dezembro, com pouco menos de sete horas de diferença. Mãe e filho estavam lutando desde novembro contra a  Covid-19 no Centro de Terapia Intensiva (CTI) de um hospital particular em Franca, São Paulo.

-Publicidade-

De acordo com o filho e irmão das vítimas, Joel Barbosa de Oliveira, em entrevista ao G1, a mãe o irmão passaram um final de semana juntos antes de começarem a sentir os sintomas. Embora a senhora ficasse acompanhada de cuidadoras durante a semana, ela costumava ir para a casa dos filhos aos sábados.

Mãe e filhos se foram no mesmo dia (Foto: Reprodução / G1)

O primeiro a manifestar a doença foi Mateus, que começou a sentir febre e sinusite. “Na quinta-feira, ele começou a sentir falta de ar e um começo de tosse. Fizeram tomografia e ele já estava com 70% do pulmão tomado. Ele internou, ficou na enfermaria. Na madrugada de sábado pra domingo, levaram pra UTI porque a saturação estava caindo de novo”, diz Joel.

Cinco dias depois do professor, dona Zenaide começou com os mesmos dias, mas foi orientada a ficar em casa monitorando a respiração. “Na sexta-feira (30), ela agravou muito, a saturação caiu pra 86. Nós corremos e fizeram o mesmo procedimento que fizeram com meu irmão. Fizeram a tomografia, o pulmão estava tomado. Ela internou, ficou uma semana na UTI e morreu”, explicou o parente.

Morreram com sete horas de diferença

A senhora de 84 anos se foi às 10h15 do sábado. Algumas horas depois, às 16h55, a família soube que Mateus também não tinha resistido. “Minha mãe tinha bronquite asmática. Talvez o quadro dela evoluiu bem mais rápido por isso, pela idade e pela bronquite asmática. Meu irmão jogava bola, era professor, tinha uma vida normal, não tomava remédios”, afirma Joel.

Além deles, a esposa do professor e o filho caçula, de 18 anos, também contraíram a doença, mas passam bem. Segundo o parente, a família está devastada com a perda. “Nós estamos nos sentindo despedaçados. Estamos um caco”, finaliza.