Famílias de crianças com deficiência sofrem golpe na internet e desabafam sobre decepção

Diversas mães reclamaram não terem recebido os produtos adquiridos como estavam no anúncio e decidiram denunciar a empresária responsável pelas vendas

Resumo da Notícia

  • Diversas famílias denunciaram a empresária
  • Os produtos vendidos pela internet não correspondiam ao item
  • As mães ficaram decepcionadas pelo golpe da mulher

Adenise do Vale, mãe de Amanda, que tem paralisia cerebral, fez um desabado de partir o coração após ter comprado em equipamento que ajudaria no desenvolvimento da filha e ter recebido um acessório completamente diferente. Assim que a encomenda chegou na Apae de Arapoti, no Paraná, ela ficou decepcionada.

-Publicidade-
Amanda estava esperando pelo produto que a ajudaria na locomoção (Foto: reprodução / Fantástico)

A compra, feita pela internet, foi no valor de R$ 1.800, arrecadada com muito suor pela associação e pela família: “Esse aparelho ia significar muito para gente, porque ele poderia ajudar muito no desenvolvimento”, contou a mãe em entrevista ao Fantástico.

Cynthia Mancini, que vive nos Estados Unidos e é a responsável pela venda dos produtos, também decepcionou diversas outras famílias com os itens que nunca chegaram. O advogado da Apae chegou a entrar em contato com a mulher: “Foi entrado em contato com ela para que fosse mandado o restante e ela simplesmente alegou que não existia essa possibilidade, porque a venda do equipamento era somente aquilo mesmo. É uma falcatrua, não tenho dúvida nenhuma”.

-Publicidade-

O mesmo equipamento comprado por Adenise foi adquirido por outra mãe que não quis se identificar: “Eu penso: se uma pessoa é capaz de dar o golpe em famílias que têm crianças com necessidades especiais, o quê que ela é capaz de fazer comigo, uma pessoa que tá denunciando, né?”.

O acessório vendido na internet não acompanhava o elástico e as rodas que ajudariam Amanda conseguir andar (Foto: reprodução / Fantástico)

Já para Rosa Maria Dias, mãe de Mariah, o carrinho tão esperado para a filha, no valor de quase R$ 3 mil, nunca chegou. De início, a empresária alegou que ela não teria pago as taxas e impostos do item, mas depois nunca mais respondeu às mensagens da mãe.

Segundo informações do Fantástico, foram encontradas outras 40 reclamações nas redes sociais e na defesa do consumidor contra Cynthia. Apesar da Apae ter ganhado o processo na Justiça sobre a venda do produto, a empresária nunca retornou ou ressarciu o valor. Ainda de acordo com a reportagem, a mulher culpou os clientes por não terem pago pelos impostos, resultando no não recebimento dos acessórios.

-Publicidade-