;
Família

Mãe escreve cartões de aniversário para o filho após descobrir câncer terminal

"Eu preciso que meu filho saiba que sua mãe lutou desesperadamente duro para estar com ele", disse

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

Tyla se sente culpada por deixar o filho (Foto: reprodução/Deadline News)

Tyla Livingstone, de 22 anos, foi diagnosticada com glioblastoma, um câncer cerebral em fevereiro de 2018 e resolveu fazer cartões de aniversário para o seu filho, para que ele não se esqueça da mãe.

A mulher descobriu a doença após acordar com uma paralisia do lado direito. A ideia de deixar os recados surgiu após os médicos dizerem que ela não sobreviveria por mais de cinco anos. “Eu sei que o meu tempo está acabando”, contou ao Daily Mail.

Os primeiros sinais do tumor apareceram durante a gravidez de Tyla. Com 31 semanas, ela sentiu uma forte dor abdominal. Para aliviar, entrou no chuveiro e sua mão ficou paralisada. Assustada, gritou para sua mãe e saiu do banho.

Quando ela chegou, a filha estava apagada. Quando Tyla acordou, sua mãe já ligava para a ambulância. “Eu estava tão estressada pelo meu bebê, que nem pensei em mim”, revelou ao canal britânico. Mas no caminho para o hospital, ela o sentiu em sua barriga e conseguiu ficar mais aliviada.

Lá, ela fez exames que negaram a possibilidade de pré-eclâmpsia, mas apontaram que uma massa de dois centímetros crescia no lado esquerdo do seu cérebro. Em um primeiro momento, o tumor foi dado como benigno ou facilmente eliminado.

Após ignorar os primeiros sinais, Tyla foi diagnosticada com um tumor maligno (Foto: reprodução/Instagram)

Os sintomas permaneceram após o nascimento de Preston. A mãe acordou em uma manhã com paralisia no lado direito, mas culpou o álcool, já que havia saído na noite anterior. Após dois dias, ela ligou para o médico que foi investigar os exames após o parto.

Neles, ele percebeu um crescimento enorme do tumor, que estava pressionando os nervos de Tyla, o que explicava a paralisia. Imediatamente, a mãe foi levada ao hospital, onde aplicaram esteróides para reduzir o inchaço.

Ela teve alta, mas mal conseguia caminhar e precisou que a família cuidasse do filho em casa. Mais tarde, em 26 de fevereiro, ela precisou passar por uma cirurgia de emergência de 6 horas no cérebro. Mesmo após a intervenção, ela recebeu a notícia que já apresentava um glioblastoma de grau 4, ou seja, terminal.

Tyla passou por cirurgia, mas não foi possível eliminar o tumor (Foto: reprodução/Instagram)

“Saber da notícia foi horrível. Naquele momento, eu morri por dentro“, disse Tyla ao jornal britânico. A quimioterapia e radioterapia destruiu algumas células, mas o tumor cresceu. “É como se eu tivesse ganhado na loteria, mas uma loteria horrível sem dinheiro envolvido”, completou.

A mãe contou que continua positiva, embora se sinta culpada pela situação. “Eu costumava me sentir péssima na escola pelas pessoas que haviam perdido os pais, e é tão triste que isso irá acontecer com meu filho”, desabafou e continuou: “Mas de uma forma eu me sinto grata que esteja acontecendo agora, porque ao menos ele não entende”.

Além dos cartões, Tyla também cortou mechas do cabelo para dar a Preston. “Eu preciso que meu filho saiba que sua mãe lutou desesperadamente duro para estar com ele, que ela o ama tanto e não escolheu deixá-lo”, finalizou.

Leia também: 

Pai perde a esposa para o câncer e escreve cartas aos filhos que valem como uma lição de vida

Calouros de medicina deixam crianças com câncer rasparem seus cabelos em trote solidário

Mãe com câncer terminal deixa mensagem escondida para a filha ler no dia do casamento