Manaus: Filho perde mãe e pai no mesmo dia devido à falta de oxigênio

O homem contou a história e reconheceu o dano como “irreparável”. Segundo ele, ninguém havia informado sobre a possibilidade de ausência desse suprimento no hospital

Resumo da Notícia

  • Iyad Hajoj perdeu o pai e a mãe no mesmo dia após falta de oxigênio em hospital de Manaus
  • O homem afirmou que não havia sido alertado sobre a deficiência
  • Ele desabafou sobre a situação e a considerou "irreparável"

Iyad Hajoj, administrador de empresas, viu a mãe e o pai falecerem no mesmo dia por conta da falta de oxigênio nos hospitais de Manaus. O casal estava internado no Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiram após a falta de suprimentos.

-Publicidade-
Ele contou que havia visitado a mãe no dia anterior e não foi alertado sobre a falta de suprimento (Foto: reprodução/G1)

O pai do homem encontrava-se na UTI, enquanto a mãe estava na enfermaria, porém ambos precisavam de oxigênio para o tratamento. O reconhecimento dos corpos aconteceu na última quinta-feira (14) e o rapaz se emocionou ao contar a história ao vivo.

“Foi o dia mais aterrorizante que eu não desejo para absolutamente ninguém. Fui infectado pela Covid porque tive que cuidar dos dois e tive que reconhecer o corpo dos dois”, pontuou em entrevista ao Globo News.

-Publicidade-

Enxoval do bebê

Está preparando o enxoval ou a lista para o seu chá de bebê? Olha só essa novidade: você pode criar sua lista personalizada com produtos na Amazon, que pode ser compartilhada com amigos e familiares em várias plataformas. Além disso, você também pode ganhar 10% de desconto na compra na maioria dos itens! Saiba mais sobre a ferramenta e veja produtos para o enxoval do bebê CLICANDO AQUI. Para montar a sua lista, acesse AQUI!

Os pais morreram em um intervalo de 1 hora mais ou menos (Foto: reprodução/G1)

Durante o papo, Iyad alegou que esteve no hospital no dia anterior e ninguém havia alertado sobre a falta de oxigênio. A morte da mãe e do pai aconteceu com um hora de diferença entre elas. No desabafo, ele disse que os pais, imigrantes, pagavam impostos e não receberam um tratamento digno.

“O mínimo que eles podiam fazer era ter o básico: que era ar. A gente entende que estamos num momento crítico, mas faltar o básico é algo irreparável. Perder e enterrar os pais, no mesmo dia, não tem quem suporte”, finalizou.

Foi na última quinta-feira (14), que o governo alertou sobre a falta de oxigênio e pediu a transferência de pacientes com covid-19 para outros estados do Brasil. Desde então, famosos e outras pessoas têm se mobilizado para enviar os cilindros para a região.

-Publicidade-