Menina com síndrome de Down é aceita na equipe de dança e vídeo registra a emoção

Bree Cox comemorou a grande conquista e realização de sonho junto com a família. O momento especial viralizou na internet

Resumo da Notícia

  • Menina com Síndrome de Down foi aceita na equipe de dança da escola
  • Bree Cox se emocionou ao contar para a família sobre a grande conquista
  • Vídeo viraliza na internet e comove seguidores

Bree Cox, uma menina de 14 anos, mora com a família em Murray, Utah, nos Estados unidos. A garota tem Síndrome de Down, e isso não impediu Bree de ir atrás do grande sonho. Ela que desde pequena é apaixonada por dança, conseguiu entrar para a equipe da Murray High School, e agora está seguindo os passos das irmãs mais velhas.

-Publicidade-
Agora na equipe de dança, Bree segue os passos das irmãs mais velhas (Foto: Reprodução/ Instagram/ @lovemakesmiracles_)

Passar na competição seria um grande desafio para qualquer um, mas a conquista foi ainda maior para Bree, e serviu de inspiração para todos aqueles que, assim como ela, também tem Síndrome de Down. Ao contar a notícia para a família, a menina não se aguentou e derramou lágrimas de alegria! O vídeo que registra a alegria da garota viralizou nas redes sociais e emocionou muitos usuários. A gravação já tem mais de 64 mil curtidas e muitos seguidores deixaram lindos comentários parabenizando a dançarina pela conquista do sonho.

Kecia Cox, mãe de Bree, disse à People que a primeira reação da filha foi calma e tranquila. Porém, mais tarde naquela noite, Bree ligou para o pai para dar a ele a boa notícia, e as emoções fortes vieram à tona. Foi um momento muito comovente para todos da família. A menina chorava de alegria e estava muito orgulhosa de si mesma. Kecia disse que foi a primeira vez que viu a filha chorar de alegria, porque antes ela só chorava quando estava triste. “Ela nunca sentiu lágrimas de felicidade antes”, completou a mãe.

A mãe de Bree acha que a pequena vitória da filha pode ser um passo para ser mais receptiva com as pessoas com necessidades especiais em geral: “Você luta pelos filhos com necessidades especiais todos os dias, até certo ponto, porque você é a voz deles. Então, quando essas pequenas vitórias acontecem, você fica tipo, ‘Ok, vale a pena. Eles são vistos por alguém e são valorizados'”. A mãe completa: “Ela não gosta de falar sobre isso, mas sabe que é diferente e tem lutas diferentes. Para ela, ter este momento em que não se sentia diferente, valeu a pena para nós”.

Kecia disse que Bree realmente admira muito as duas irmãs mais velhas que já dançam e até aprendeu todas as coreografias que elas ensinaram. Com uma vaga oficial na equipe, Bree agora vai dançar ao lado da irmã Adrie, de 16 anos, e seguir os passos da irmã mais velha Kyra, de 18 anos.

Kecia e o marido Kris também tem a filha Mia, de 14 anos, as gêmeas Claire e Livvy, de 9 anos, e o filho Noah, de 5 anos. Apesar de todas as preocupações, Kecia diz que a família “seguiu o exemplo de Bree” e continuou a encorajar a adolescente, enquanto as irmãs Adrie e Bree praticavam as rotinas juntas para as audições de 14 a 16 de abril.

A família de Bree Cox a incentiva e apoia muito (Foto: Reprodução/ Instagram/ @lovemakesmiracles_)

Quando os testes finalmente aconteceram, cada garota executou uma dança na frente dos juízes e treinadores – e embora ela nunca tivesse estado no time antes, Bree diz que não estava nervosa: “Ela apenas sorri quando dança”, lembra Kecia. “Ela só vai lá, não se preocupa com o que as pessoas pensam dela, pisa no chão, faz o que ela ama e é onde ela mais fica em casa”, disse a mãe orgulhosa.

Kecia continua dizendo: “É mais do que apenas um lugar na equipe – não apenas para nossa família, mas para que todos vejam que isso é possível. Dá esperança a todos nós que há mais ‘Brees’ por aí, e mais treinadores e times como este que vão dizer, ‘Claro, vamos criar um lugar para você'”.

A mãe também desabafa: “As pessoas acreditaram nela e a viram, o que às vezes é muito difícil de fazer com crianças com deficiência. Há muitas pessoas que são legais e que vão ser gentis e falar com você, mas encontrar um lugar onde você realmente seja visto e acreditado é como um mundo totalmente diferente. É lindo, e ela merece”.

Falando por toda a família, Kecia acrescenta: “Nossa maior esperança é que ela nunca sinta que quer mudar o fato de que tem síndrome de Down, ou que não é boa o suficiente porque tem essa deficiência. Bree fica mais feliz quando sente que pertence e pode fazer algo que ama. Que ela esteja em uma situação em que faça o que ama, seja aceita e tratada como igual… Não podemos pedir mais nada.. E é aí que ela pertence.”.

Bree Cox, garota com Síndrome de Down, foi aceita no time de dança da escola e comemora com a família (Foto: Reprodução/ Instagram/ @lovemakesmiracles_)