Menina de 10 anos espera se tornar pioneira em receber transplante de orelha feita em impressora 3D

Radiyah Miah nasceu com uma má formação na orelha esquerda. A impressão do novo órgão faz parte de um projeto que custa em torno de £2.5 milhões e será feito pela primeira vez na Grã-Bretanha

Resumo da Notícia

  • Radiyah Miah, aos 10 anos de idade, espera se tornar a primeira pessoa a fazer um transplante de orelha feita por impressora 3D
  • A menina nasceu com uma má formação na orelha esquerda
  • O procedimento será feito pela primeira vez na Grã-Bretanha

Radiyah Miah, aos 10 anos, está a espera de um transplante de orelha que será histórico no avanço da ciência. Isso porque essa será a primeira vez que um órgão feito com tecnologia de impressoras 3D fará parte desse tipo de procedimento médico na história da Grã-Bretanha!

-Publicidade-

A menina nasceu com uma má formação na orelha esquerda. Contudo, o procedimento revolucionário promete usar pedaços da própria cartilagem de Radiyah para fazer uma “bioconstrução” da nova orelha da menina. A pesquisa para concluir os estudos já está orçada em £2.5 milhões.

A orelha “nova” será feita com tecnologia de impressora 3D (Foto: Reprodução/ Daily Mail)

Cientistas explicam que pretendem tirar um pedaço pequeno do nariz de Radiyah para a reconstrução. Assim, uma cirurgia, que deixaria uma grande cicatriz na cabeça de Radiyah, trará impactos menores. Sobre isso, o pai dela, Rana, conversou com a BBC sobre as expectativas da cirurgia na autoconfiança da filha.

“Garota gostam de usar o cabelo preso e usar brincos nas duas orelhas”, relembrou, “Ter duas orelhas que são parecidas fará bem a ela”. Além disso, ele ainda comentou que se sente grato a essa tecnologia, “Por causa da orelha desenvolvida em laboratório, ela não terá cicatriz alguma”.

Radiyah nasceu com uma má formação na orelha esquerda (Foto: Reprodução/ BBC/ Daily Mail)

A pesquisa para o desenvolvimento desse tipo de procedimento está sendo comandada pelo professor Ian Whitaker, na Universidade de Swansea. No futuro, os cientistas pretendem aplicar essa tecnologia em diversas áreas da saúde, até mesmo tratamento de câncer. Incrível!