Professora usa feijão e caixa de leite para dar aulas à distância

Ela contou que sempre teve dificuldade com os aparatos tecnológicos e nunca imaginou que um dia fosse precisar deles para lecionar. Já que a necessidade veio, ela precisou improvisar

Resumo da Notícia

  • Professora encontra forma de lecionar à distância
  • Para isso, ela usa um saco de feijão e uma caixa de leite
  • Ela disse que sempre teve dificuldades com aparatos tecnológicos
  • Como veio a necessidade, ela precisou se reinventar
Professora encontra forma de lecionar a distância (Foto: reprodução Facebook)

Os professores estão se virando da forma que podem para conseguir administrar as aulas online. Afinal, ensinar e manter os alunos atentos por meio de computadores e celulares não é tão simples, principalmente porque nem todos têm acesso aos aparelhos necessários. A professora Maria Aparecida da Silva Biggon viralizou ao compartilhar a forma na qual conseguiu adaptar as coisas que tem em casa para dar as aulas à distância.

-Publicidade-

A principal dificuldade da professora era relacionada aos equipamentos tecnológicos: para dar as aulas, ela precisou utilizar o próprio celular. Para garantir que os alunos conseguissem ver completamente a folha que ela está usando para fazer as explicações, Maria Aparecida improvisou o próprio tripé. Como? Usando um saco de feijão e um saco de leite.

Professora usa caixa de leite e saco de feijão para lecionar à distância (Foto: reprodução Facebook)

A criatividade da professora, que leciona há mais de 40 anos, foi visualizada por cerca de 80 mil pessoas no Twitter. Em entrevista à Época, ela contou que sempre teve dificuldades com aparatos tecnológicos, mas precisou se reinventar para conseguir continuar a ensinar durante o isolamento social.

-Publicidade-

“Isso vai mudar minha vida, fico pensando quanto tempo eu perdi de não ter investido em mais conhecimento tecnológico. Pensava que como já estava próxima da aposentadoria, não faria tanta diferença na minha vida profissional mas agora é assim ou nada. Se alguém me falasse há um ano que estaria gravando aulas por vídeo, não acreditaria”, contou.

-Publicidade-