Sabrina Sato fala sobre síndrome de burnout na maternidade: veja 7 sinais para ficar em alerta

Durante um bate-papo com Priscila, mãe de cinco crianças, Sabrina Sato trouxe a importância de abordar sobre a síndrome de burnout na maternidade, que tem afetado diversas mães, principalmente na pandemia

Resumo da Notícia

  • Sabrina Sato entrevistou Priscila, mãe de cinco crianças, sobre a síndrome de burnout na maternidade
  • O relato foi feito a partir do seu canal no YouTube, no novo episódio de "Mães de Verdade"
  • Cada vez mais, a síndrome de burnout parental tem afetado mulheres

Na última segunda-feira, 24 de maio, Sabrina Sato compartilhou um novo episódio de “Mães de Verdade”, no YouTube, onde conversou sobre assuntos como burnout parental, a importância do autocuidado e também a falta de desejo na maternidade.

-Publicidade-

No bate-papo, a apresentadora recebeu Priscila, mãe de cinco, sendo quatro deles gêmeos, que sofreu com a síndrome de burnout parental durante a gravidez. “Um belo dia eu levantei, sempre fui muito ativa, e não conseguia tirar o Diego do chão e fui para o hospital”, contou na entrevista.

Na conversa, Sabrina trouxe e importância de falar sobre o problema, que tem atingido diversas mães. Depois de passar por cardiologista, oftalmologista e otorrinolaringologista, todos confirmaram que Priscila tinha Burnout Parental, que tem afetado diversas mulheres, principalmente na pandemia. “O burnout sai dos negócios e vai para dentro de casa”, reforça a mãe de cinco.

Durante o tratamento, Priscila contou muito com a ajuda do marido, que precisou fazer algumas transformações dentro de casa. Naquele período, ela estava há 40 dias antes do parto, com um filho pequeno em casa e passando por uma reforma.

Sabrina Sato falou sobre a síndrome de burnout parental em seu canal do YouTube (Foto: reprodução / YouTube)

“Meu marido virou duas chavinhas: a primeira foi de ‘eu sou pai e preciso assumir’, que foi quando eu precisei internar por 40 dias antes dos bebês nascerem e a segunda foi ‘eu preciso fazer algo em casa, senão as crianças vão ficar sem mãe e eu vou ficar sem esposa’. E aí, ele criou a hashtag ‘deixa mamãe mimir’ e eu acordo a hora que eu quero nos finais de semana e feriados, e ele se diverte com as crianças“.

O que é a síndrome de Burnout parental?

Geralmente, os sintomas da síndrome de Burnout eram relacionadas a um trabalho estressante, onde era difícil levantar todos os dias da cama, justamente por causa da doença. Mas, é cada vez mais comum notar os sintomas em pais e mães no exercício da maternidade e paternidade, chamada de síndrome de burnout parental.

“Tanto a síndrome de burnout que acomete os trabalhadores do mundo corporativo, como a parental, possuem os mesmos sintomas. As duas são sinônimos de desgaste, com as pessoas ficando mais agressivas, irritadas e com dificuldades de manter o equilíbrio; o que as diferencia são as causas. Ou seja, o trabalho e o dia a dia com os filhos”, explica o psiquiatra Leonard Verea, formado pela Faculdade de Medicina de Milão, na Itália, durante uma entrevista com Gladys Magalhães.

Sintomas da síndrome de burnout parental

  • Crises de pânico
  • Desânimo
  • Choro fácil
  • Tontura
  • Dor de cabeça
  • Exaustão
  • Irritabilidade

Como é feito o diagnóstico para a síndrome de burnout parental

As mudanças de comportamento podem ser percebidas no dia a dia como uma forma de desgaste. Mas, é importante reforçar que para um diagnóstico preciso, é necessário avaliação de um profissional, mesmo que os sinais ainda sejam pequenos. O especialista reforça ainda que: crianças com pais acometidos pela síndrome podem, no futuro, apresentar problemas de saúde mental, como hiperatividade e déficit de atenção.

A síndrome de burnout parental se dá pelo esgotamento excessivo nas tarefas do dia a dia (Foto: Shutterstock)

Existe tratamento para a síndrome de burnout parental?

Segundo o especialista, o primeiro passo é pedir ajuda, apesar de ser muito difícil para as pessoas que possuem burnout, por serem perfeccionistas e inseguras. Assim, aprender a delegar tarefas, reservar um tempo para si, praticar atividade física, pedir a ajuda dos avós, tios e padrinhos, por exemplo, ajuda a prevenir e, até mesmo se livrar do problema. Porém em casos mais sérios, quando o burnout passa a interferir na relação com os filhos e na capacidade de cuidar deles, é preciso procurar ajuda especializada.

“Hoje em dia, existem diversas abordagens terapêuticas para ajudar pacientes com problemas de saúde mental e, na maioria dos casos, os resultados são satisfatórios. No caso do burnout, o tratamento costuma ser terapêutico e, eventualmente, se faz necessário o uso de medicamentos, depende de cada caso”, conclui o médico.