Criança

Menina de 9 anos sofria quase 300 convulsões por dia até descobrir remédio polêmico

O tratamento reduziu drasticamente as crises epiléticas

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: reprodução da internet)

(Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

Teagan Appleby é uma menina inglesa de 9 anos que nasceu com uma rara condição devido à uma desordem em seus cromossomos que causou síndrome de Lennox-Gastaut (LGS).

Essa síndrome, definida como uma grave forma de epilepsia generalizada, fazia a garota sofrer cerca de 300 convulsões ao dia. Seu caso foi registrado pelos médicos com um dos piores ataques epiléticos já vistos.

 

Teagan durante o coma induzido (Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

Teagan durante o coma induzido (Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

 

Teagan foi diagnosticada com LGS aos 4 anos de idade e as convulsões ficaram tão graves que a impossibilitava de se alimentar, até no que último verão ela teve que ser colocada em coma induzido por medicamento.

Teagan durante o coma induzido (Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

Teagan durante o coma induzido (Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

Após uma piora na condição de Teagan, sua mãe Emma Appleby começou uma campanha para levar a filha para o Canadá, onde estavam sendo feitos testes de THC, um componente da cannabis que atua no cérebro, relaxando-o.

De acordo com informações de Emma ao jornal britânico Daily Mail, o óleo de cannabis com THC reduziu as convulsões da menina. Desde julho, quando a menina começou a tomar o óleo, suas convulsões só aconteceram durante a noite, quando dormia.

Teagan após o tratamento (Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

Teagan após o tratamento (Foto: Emma Appleby/Triangle News/Reprodução)

A mãe comentou o sucesso do tratamento. “Poderia ser uma nova vida, ela poderia ser como uma nova criança”.

Leia também:

Conheça as novas possibilidades para o tratamento do câncer infantil

Menino com doença grave recebe presente especial de policiais no hospital

Menina usa “fantasia de endometriose” para fazer um apelo sobre sua doença