Criança

Estudo afirma que 250 milhões de crianças serão obesas em 2030

Pesquisadores da Federação Mundial da Obesidade listaram os países que terão mais problemas com isso

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

Pesquisa afirma que o número de obesos aumentará (Foto: Getty Images)

O excesso de peso tem sido um problema na vida de muitas pessoas e segundo relatório da Federação Mundial da Obesidade isso só tende a piorar. Os pesquisadores afirmaram que a população global de crianças chegará a 250 milhões em 2030, um aumento considerável comparado aos 150 milhões que existem atualmente.

De acordo com o primeiro Atlas da Obesidade Infantil, apenas 1 em cada 10 países tem 50% de chance de cumprir com a meta da Organização Mundial de Saúde de não apresentar o aumento na obesidade infantil de 2010 a 2015. A chance do Brasil cumprir essa meta é de apenas 2%.

Crianças obesas, muitas vezes, se tornam adultos obesos o que aumenta o risco de problemas sérios de saúde como doenças no coração e diabetes. A previsão é de que o Brasil tenha um aumento de 5,6% da população obesa entre 5 e 19 anos até 2030, chegando a 7,7% milhões. Segundo o relatório, os países que mais sofrerão com a obesidade infantil são África do Sul (14,3%), China (11,8%), Maldivas (10,1%) e Namíbia (10%).

Em termos absolutos, China terá a maior população de crianças e jovens obesos em 2030, 62 milhões, depois a Índia, 27, 5 milhões, Estados Unidos, 17 milhões, Indonésia, 9,1 milhões e Brasil, 7,7 milhões. Em nota, a embaixadora da Federação Mundial da Obesidade, Louise Barr, alegou que não existe um fator responsável pelo aumento na condição no mundo todo.

“O que vemos é o aumento de fast food, mais transporte motorizado, menos crianças caminhando e andando de bicicleta, o aumento de atividades sedentárias e o uso de telas pelos pequenos. O mundo está tão diferente! Os ambientes urbanos perderam locais de caminhada e espaços verdes o que se reflete em mudanças na população”, afirmou.

Leia também:

Estudo da OMS prova que amamentação exclusiva diminui risco de obesidade infantil no futuro