Criança

Estudo mostra que uma criança ingere produtos de beleza a cada duas horas e faz alerta

Os resultados da ingestão ou exposição causou, na maioria das vezes, envenenamentos (86,2%) ou queimaduras químicas (13,8%).

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

 

(Foto: Reprodução / GettyImages)

Um estudo publicado na revista Clinical Pediatrics mostrou que muitos pais e mães precisam ter o dobro de atenção com as coisas que deixam ao alcance dos filhos pequenos. Segundo a pesquisa, produtos de beleza levaram mais de 64 mil crianças com menos de cinco anos a salas de emergência de 2002 a 2016, nos EUA, ou seja, isso vale como se uma criança a cada duas horas sofresse esse acidente.

Os pesquisadores estudaram os dados do Sistema Nacional de Vigilância de Lesões Eletrônicas e mostraram que 60% dos casos ocorreram em crianças com menos de dois anos. Ainda de acordo com o estudo, mais de 75% das lesões ocorreram quando criança ingeria o produto. Os resultados da ingestão ou exposição causou, na maioria das vezes, envenenamentos (86,2%) ou queimaduras químicas (13,8%).

Rebecca McAdams pesquisadora sênior do Hospital Infantil Nationwide em Columbus explicou o motivo das crianças ingerirem produtos de beleza. Segundo ela, isso se deve ao fato das coisas terem uma boa aparência. “Esses produtos são comercializados para cheirar e ter boa aparência, e bebês e crianças pequenas exploram o mundo colocando as coisas na boca. Crianças que são um pouco mais velhas, de 2 a 4 anos, ainda não sabem ler, então elas vão experimentar”, explicou em entrevista ao site do hospital.

Os produtos que levaram a lesões foram de produtos para as unhas (28,3%),  capilares (27%) e para cuidados com a pele (25,0%), seguidos pelos produtos de fragrâncias (12,7%). O que causou mais ferimentos graves, necessitando de hospitalização, mais da metade foi de produtos de tratamento capilar (52,4%).

“Como resultado dessa ingestão, as crianças apresentam ferimentos leves, semelhantes ao que você veria com spray de pimenta, queimação temporária na garganta ou irritação nos olhos, que geralmente se resolve em poucas horas sozinha. Mas produtos capilares podem ser particularmente perigosos, porque podem causar queimaduras químicas na boca e no esôfago”, explicou Anthoney Lim, diretor médico do Departamento de Emergência Pediátrica do Mount Sinai Beth Israel em Nova York.

Leia também:

Estudo comprova que o segundo filho é o mais arteiro de todos

Estudo mostra porque mais da metade dos pais não se sente preparado para adotar uma criança

Estudo defende que ser otimista é um ótimo jeito de melhorar a saúde da família toda