Colostro: te explicamos tudo o que você precisa saber

Todo mês um tema diferente sobre o universo da amamentação com depoimentos de leitoras e a declaração da nossa especialista. Fique ligada no nosso Instagram para saber os próximos assuntos e mande sua história

Cinthia Calsinski, mãe de Matheus, Bianca e Carolina fala sobre essa fase importante da amamentação (Foto: Shutterstock)

Todo mês um tema diferente sobre o universo da amamentação com depoimentos de leitoras e a declaração da nossa especialista. Fique ligada no nosso Instagram para saber os próximos assuntos e mande sua história.

  • “Antes de ser mãe já tinha ouvido falar a respeito do colostro, mas não sabia a importância dele e o quão nutritivo ele é. Procurei ler sobre ele, me informar e a pediatra que acompanhou meu parto também me instruiu bastante. Adoro amamentar e pretendo fazer isso até voltar a trabalhar” Suza Mara Góis, mãe de Denise
  • “Eu achava que colostro era um leite grosso, mas quando minha filha nasceu perguntei para a enfermeira o que era aquela gelatina amarela e ela me explicou que era ele, o colostro. Com dois dias o leite desceu e foi só alegria. Minha filha era um reloginho e de 3 em 3 horas pedia para mamar” Luciana Sena Dias, mãe de Beatriz
  • “Eu achei que meu leite não ia vir tão rápido por ter sido uma cesárea sem trabalho de parto, mas ainda na mesa de cirurgia já veio o colostro e o Ben mamou! Poucas horas depois eu já tinha bastante leite e um dia depois já estava pingando! Ele mama aos montes” Lilian Haddad Akkouh, mãe de Bem

A mulher pode ter colostro antes mesmo do parto. A principal função desse primeiro leite é imunizar o bebê, por isso tem efeito laxante. É comum ouvirmos que o leite ainda não desceu e que é “só” colostro, mas não é bem assim: ele é leite, sim. Porém, ajustado às necessidades do recém-nascido e da mãe, que estão aprendendo a mamar e amamentar. Por isso, ele dura aproximadamente três dias e é mais concentrado, contendo proteína, lactose, gordura, leucócitos, vitaminas A, E, K, imunoglobulinas (que são um tipo de proteína de ação específica para o desenvolvimento do sistema imunológico do bebê), entre outros. Tudo isso em uma quantidade reduzida, de até 20 mL. Com o tempo e a amamentação, o cocô que no início é espesso e preto, vai tornando-se esverdeado e por fim mostarda. A atuação do colostro no intestino vai desde a prevenção de icterícia, alergias, diarreias e infecções em geral, até o amadurecimento e auxílio do seu funcionamento, por meio do equilíbrio das bactérias que ali se desenvolvem. Quando o bebê nasce prematuro, existe uma diferenciação em sua composição e este passa a ser denominado como leite precoce. Para atender necessidades especiais, nele há um aumento na quantidade de proteínas, gorduras e calorias e diminuição da lactose, para facilitar a digestão. E em casos específicos, o colostro permanece presente por semanas. Já que você sabe que a principal função dele é nutrir o bebê e dar força na imunidade, não deixe passar em branco a frase “é só colostro”, afinal, é ele o responsável pela proteção do recém-nascido no início da vida nesse mundão.