Desmame: dicas e cuidados para encerrar a amamentação

Esse é um processo que demanda paciência. A mudança não ocorre do dia para a noite

O desmame é um processo, mas vai passar! Confira algumas maneiras de facilitar a transição.

O desmame deve ser feito de forma gradual, respeitando mãe e bebê (Foto: iStock)

Comentários

Confira as experiências de desmame que nossa audiência compartilhou nas redes sociais

  • “Não tenho rede de apoio, o que torna o desmame ainda mais complicado. Estou exausta.”, Danielle Ribeiro, mãe de Átila
  • “Meu bebê tem 8 meses e não está querendo saber de largar o peito. Amamentação ainda está forte por aqui.”, Daliny Marques, mãe de Ethan
  • “Quero que o desmame seja natural e sem traumas para a minha filha. Você tem alguma dica para esse momento?”, Andreza Cunha, mãe de Alice

Explicações

Uma coisa é fato, mais cedo ou mais tarde toda mulher que deu à luz vai passar pelo desmame. Muita gente não sabe que a consultora de amamentação é a profissional que acompanha mãe e bebê neste processo. Lhe chamou atenção o termo processo? É que o desmame não deveria ser um evento que acontece com dia e hora marcados, e sim um processo que se inicia com a introdução alimentar em que o bebê aos poucos vai comendo mais e melhor e diminuindo as mamadas com o passar do tempo.

Eu percebo no meu dia a dia que muitas consultorias de desmame acabam se tornando consultorias do sono, pois me deparo com uma mãe exausta, achando que o desmame é a solução dos seus problemas. E qual o momento certo para o desmame? Ele deve acontecer quando mãe e bebê entendem que chegou a hora, de forma gradual onde o risco de intercorrências para a mulher é diminuído consideravelmente (dor, mamas empedradas, mastites) e o bebê também tem seu tempo de ajuste à nova realidade, uma vez que amamentação é muito mais que nutrição, é afeto, aconchego, troca de olhares e muito mais.

Estratégias como passar remédio para ficar com gosto ruim, pó de café dizendo que estragou ou esmalte fingindo estar machucado não são os melhores caminhos. Não sabemos a mensagem que será entendida pelo bebê/criança. Não ofertar as mamas, mas também não recusar costuma encaminhar o processo de maneira gradual, saudável e tranquila.

É importante envolver a família, o pai é um grande aliado nesse momento, quando ele coloca a criança para dormir esta pode esquecer a mamada da noite por exemplo. O mais importante é se ouvir, ir no seu ritmo, respeitando a si mesma e ao seu bebê.