Criança

3 dicas para fazer seu filho comer de tudo

Não precisa sofrer, a gente te ajuda!

Logo-Parents (1)
Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Se você tem uma criança pequena ou uma criança em idade pré-escolar, há uma boa chance dele ter um chilique para não comer alguma coisa a cada refeição. “Os estudos descobriram que cerca de 50% das crianças de 2 anos de idade foram descritas como consumidores exigentes ou mimados por parte dos pais”, diz Sharon Donovan, professora de nutrição e pesquisadora na Universidade de Illinois, Estados Unidos.

O que há com essas crianças? “Uma parte desse comportamento pode ser atribuída ao estágio de desenvolvimento”, diz Sharon. “Entre 2 e 3 anos de idade as crianças simplesmente não gostam de coisas novas. Eles têm medo do que é estranho por isso rejeitam novos alimentos – um medo real conhecido como neofobia alimentar. Além disso, o desejo de independência e controle é tão forte que a seletividade pode ser um jogo de poder”.

Embora a alimentação seletiva seja uma fase natural para a maioria das crianças, é muito enlouquecedor e assustador viver com ela. Além disso, nem sempre esse período do desenvolvimento se resolve sozinho. “Você pode se preocupar se seu filho não vai crescer, então começa a ceder às vontades dele, mas como você responde vai influenciar no comportamento futuro dele“, diz a pediatra Natalie Muth. “Cabe aos pais treinar o paladar dos filhos para aceitar e depois desfrutar de novos alimentos, mas isso não acontecerá da noite para o dia”, acrescenta a pediatra. “É um processo – então você tem que estar empenhado a longo prazo.”

1. DICA: envolva seu filho nas compras das comidas.

EVITE: fazer tudo sempre sozinho.

PORQUE É MELHOR: A maneira mais fácil de atrair as crianças é fazer algo divertido e com a comida não é diferente. “Leve seus filhos ao mercado e convide-os a jogar: encontre cinco tipos de alimentos de cores diferentes na seção de frutas e vegetais e coloque-os no carrinho”, diz a escritora americana Jennifer Tyler Lee. “Então, na hora da refeição, as crianças podem ganhar pontos experimentando as cores diferentes, fica divertido e deixa bem longe o estresse.”

“Envolver as crianças na preparação da comida também torna mais fácil o caminho da aceitação – contanto que você não force”, diz Katja Rowell, especialista em alimentação infantil. Aguarde a curiosidade natural do seu filho. “Cozinhar juntos parece muito trabalho para um pai ocupado”, Katja reconhece. Mas pense em cozinhar como uma atividade que você faz juntos uma vez por semana. Há muito mais para as crianças quando elas lideram o processo e se divertem experimentando.

2. DICA: converse com seu filho sobre alimentação.

EVITE: ficar dizendo que seu filho não come nada.

PORQUE É MELHOR: “Dar um rótulo ao seu filho é prejudicial porque se torna parte da identidade dele”, observa Natalie. Chamar a criança de chata para comer, ou algo do tipo, vai fazer ela pensar que algo está errado e, potencialmente, aumentar seus medos em relação a comida.

3. DICA: transforme as refeições em um momento em família.

EVITE: não fique fazendo chantagem para ele comer

PORQUE É MELHOR: “A hora das refeições é, antes de mais nada, um momento de conexão – essa é uma meta tão grande da família quanto a nutrição”, observa Katja. “Quando você se concentra em nutrir com amor tanto quanto com comida, seu filho vai querer estar lá, e porque ele está confortável e feliz, ele vai comer melhor”.

Leia também:

Introdução alimentar sem papinha

Pediatras mudam regras da introdução de alimentos

Como alimentar seu filho em cada fase da infância