Escolas particulares e professores participam de paralisação contra cortes na educação

As aulas e atividades dos colégios serão suspensas nesta quarta (15)

(Foto: iStock)

Escolas particulares, professores, pais e alunos decidiram aderir à paralisação marcada para esta quarta-feira (15), contra os cortes de verbas na educação. Segundo o Sinpro-SP (Sindicato dos Professores da Rede Privada), pelo menos 25 colégios em São Paulo terão as atividades alteradas ou paradas para a manifestação.

-Publicidade-

Os educadores fazem críticas após o anúncio do Ministério da Educação do bloqueio de 30% do orçamento das universidades federais, da educação básica e corte de bolsas para pesquisa, por exemplo.

“Aderimos à paralisação em defesa da educação, da pesquisa, do trabalho dos professores e professoras de todo o país, do nível básico às pós-graduações das redes pública e privada. Temos visto, estupefatos, a nomeação de ministros da educação pouco comprometidos com a educação e com as questões ligadas à escola e às universidades. Vimos o incentivo, referendado pelo presidente da nossa República, às filmagens em sala de aula e à denúncia de professores, criando um clima de animosidade e desconfiança entre professores e alunos. Temos visto movimentos de interferência na produção das questões das provas do Enem, em que são ditadas linhas e conteúdos são excluídos. A própria ideia da escola como espaço de pensamento crítico, de construção da cidadania, da empatia e da aceitação da diferença, tem sido apresentada como doutrinação e mesmo inutilidade. Temos visto o risco de matérias como filosofia, artes e ciências sociais simplesmente desaparecerem dos currículos, seja no ensino médio seja nas universidades. Vemos, agora, cortes nas verbas do ensino superior e dos colégios técnicos federais, além de cortes nas bolsas de pesquisa. Por tudo isso, entendemos que não há como ficarmos parados assistindo ao desmonte”, diz um uma nota enviada aos pais pelos educadores do colégio Equipe, localizado no bairro Higienópolis, em São Paulo.

-Publicidade-

Entre os que tiveram adesão à paralisação, estão outros colégios tradicionais de São Paulo, como Santa Cruz, São Domingos, Vera Cruz, Oswald de Andrade, São Domingos, Escola da Vila, Waldorf e Gracinha.

“Durante uma assembléia extraordinária, realizada no dia 10/05/2019, nós, estudantes do F2 e Ensino Médio do Colégio Viver, motivados pelo movimento nacional da Educação, realizado em resposta aos cortes das verbas destinadas às instituições de ensino e pesquisa, optamos por aderir à paralisação que acontecerá na próxima quarta-feira (15/05).

Para que os professores e professoras do colégio estejam livres para se juntarem à luta, pedimos que os pais/responsáveis do Infantil, F1, F2 e E.M não tragam seus filhos nesse dia, afinal, não haverá quem dê aula. Para o caso de famílias que não têm com quem deixar os seus filhos, fizemos um pequeno grupo de voluntários, composto por alunos de 9° ano, E.M e famílias que desejam ajudar. Este grupo estará no Viverzinho nos dois períodos”, diz uma nota escrita pelos estudantes do Colégio Viver, localizado em Cotia, interior de São Paulo

Nesta terça (14), a Federação de Escolas Particulares (Fenep) recomendou aos colégios que não paralisem as atividades e que descontem o salário de professores que não forem às aulas.

Confira a lista atual de escolas que vão aderir à paralisação:

Escolas particulares de São Paulo

Âncora
Anima
Arco
Arraial das Cores
Casa de Aprendizagens
Casa Redonda (Carapicuíba)
Colégio Invenções
Colégio Maria Imaculada
Colégio Santa Cruz
Colégio Viver (Cotia)
Colégio Viver (Cotia)
Colégio Waldorf Micael
Equipe
Escola Ágora (tarde)
Escola Alecrim
Escola Livre Areté
Escola Vera Cruz
Escola Viva
Escola Waldorf Jardim Primavera (Ubatuba)
Escola Waldorf São Paulo (tarde)
Gracinha
Marupiara
Oswald de Andrade
Politeia
Recreio (tarde)
São Domingos
Waldorf Francisco de Assis

Outros estados

Andrews (RJ)
Casa Áurea (RJ)
CEAT (RJ)
Colégio Santa Tereza de Jesus (RJ)
Corcovado (RJ)
Cruzeiro (RJ)
Cruzeiro Centro (RJ)
Dendê da Serra (BH)
EDEM (RJ)
Escola Amanayé (SC)
Escola da Travessa (RJ)
Escola internacional UniSociesc (SC)
Escola Parque (RJ)
Escola Sabiá (BH)
Escola Waldorf Micael (CE)
Escola Waldorf Moara (DF)
Liceu Franco Brasileiro (RJ)
Oga Mitá (RJ)
Paineira Escola Waldorf (MG)
QI Recreio (RJ)
QI Rio 2 (RJ)
Sá Pereira (RJ)
Santo Agostinho Leblon (RJ)
Santo Ignácio (RJ)
São Vicente (RJ) )
Sarapiquá (SC)
Waldorf Anabá (SC)

Outras escolas e instituições mobilizadas
Santi
Regina Mundi
Escola da Vila
Anglo SP
Liceu Coração de Jesus
Teia Multicultural
Escola Granja Viana
Beacon School
Carandá Viva Vida Educação
Colégio Ítaca
Estilo de Aprender
Instituto Sedes Sapientiae
Escola de Sociologia e Política
Escola da Cidade
Círculo Psicanalítico do Rio de Janeiro
Instituto Singularidades

Leia também:

“Os alunos de hoje não têm paciência para escolas com modelos antigos”

Virou lei! Todas as escolas terão que dar educação socioemocional para as crianças

Inteligência emocional: entenda o que é e como estimular essa habilidade no seu filho

    -Publicidade-