Mãe de três filhos descobre 4ª gravidez três meses antes de dar à luz: “Achei que era diástase”

Em entrevista à Pais&Filhos ela contou melhor como foi ficar sabendo da gestação

Resumo da Notícia

  • Mãe de três filhos descobre 4ª gravidez três meses antes de dar à luz
  • Em entrevista à Pais&Filhos ela contou melhor como foi ficar sabendo da gestação
  • Alessandra é mãe de Lucas, 7 anos, os gêmeos Malu e Théo com 2 anos e 3 meses e Maitê, de 8 meses

Que susto! Alessandra Pontes Maia, de 40 anos, já tinha 3 filhos quando foi surpreendida pela 4° gestação. A advogada achava que estava com uma diástase abdominal, já que a última gravidez havia sido de gêmeos. Foi então que decidiu buscar ajuda para fazer um tratamento e resolver o problema. “Quando os gêmeos completaram 1 ano, comecei a ficar muito mal com minha autoestima, minha barriga estava saliente. Então, comecei a correr atrás, fui atrás de uma nutricionista para fazer reeducação alimentar, voltei para a academia com treinos pesados, comprei cinta compressora e nada”, conta ela, em entrevista à Pais&Filhos.

-Publicidade-

Foi então que, durante uma conversa, uma amiga levantou a possibilidade de Alessandra estar com diástase abdominal, que, em linhas gerais, é uma condição em que os grandes músculos abdominais se separam, levando a essa percepção de aumento do abdômen. “A partir daí vivi essa suposta diástase e comecei a procurar o tratamento para isso, até curso online comprei. Essa minha amiga recomendou que procurasse meu médico e pedisse um ultrassom, para detalhar o grau de afastamento dos músculos e, assim, fazer um tratamento apropriado”, relembra.

Mãe de três filhos descobre 4ª gravidez três meses antes de dar à luz
Mãe de três filhos descobre 4ª gravidez três meses antes de dar à luz (Foto: reprodução Instagram)

Para a advogada e mãe de 3, a possível diástase se transformou em uma esperança para melhorar a autoestima. “Não pensei em gestação porque, com o tempo curto, as relações conjugais foram contadas nos dedos. Além disso, eu ainda amamentava e estava tomando anticoncepcional, mesmo que fraco”, conta. Foi então que, durante o ultrassom, ela foi surpreendida.

No exame, a médica disse que não estava conseguindo ver os músculos abdominais porque o útero estava muito dilatado e levantou a possibilidade de ela estar com um mioma. Com essa dúvida, a médica passou para o exame transvaginal, cujo pedido já estava com Alessandra, de forma preventiva. “Quando ela fez o transvaginal, parou, deu uma risada e me falou: ‘seu mioma está realmente grande e tem até um coração'”, relembra.

Sem entender, Alessandra pediu para a médica explicar melhor e, assim, descobriu que estava grávida, já na 28° semana de gestação. “Ficamos em choque. Chorei muito porque não estava nos meus planos. Ao ligar para meu marido, ele ficou radiante porque queria mais filhos. Minha família toda também ficou em festa. E eu sem acreditar que em menos de 3 meses estaria na sala de parto outra vez”.

Logo bateu o medo de enfrentar algum problema de saúde na gestação, devido à dieta, consumo de álcool esporádico, termogênicos e treinos pesados. Mas tudo ocorreu bem, apesar de um susto na hora do parto. “Ela veio saudável e linda, mas após a cesariana, tive uma hemorragia que não conseguiu ser contida pela equipe médica e eles precisaram retirar meu útero. Foram 6 dias na maternidade, desde o parto até minha alta definitiva”, completa a mãe, que hoje comemora a saúde dela e de todos os filhos: Lucas, 7 anos, os gêmeos Malu e Théo com 2 anos e 3 meses e Maitê, de 8 meses.